Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Vacina da Pfizer impede transmissão da Covid-19, diz estudo

Pesquisa em Israel indica que o país pode atingir a chamada imunidade de rebanho em março

Por Da Redação Atualizado em 23 mar 2021, 10h15 - Publicado em 21 fev 2021, 21h56

A vacina do Covid-19 produzida pela Pfizer, em parceria com a BioNTech, é capaz de interromper a transmissão da doença. De acordo com um estudo feito pelas empresas em conjunto com o Ministério da Saúde de Israel, o imunizante reduziu em 89,4% o número de novos casos confirmados da infecção em Israel, incluindo assintomáticos. Essa é a primeira evidência que a vacina é capaz de diminuir a transmissão do vírus no mundo real e indica que o país pode atingir a chamada imunidade de rebanho em março.

O estudo preliminar foi divulgado no Twitter pelo jornalista israelense Nadav Eyal. Em seguida, as informações foram confirmadas e publicadas por importantes publicações, como a Bloomberg e o MIT Technology Review. Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores analisaram os registros de saúde de centenas de milhares de israelenses  durante três semanas em janeiro e fevereiro. Nesse período foi possível comparar dados de pessoas não vacinadas com aquelas que haviam completado o esquema de duas doses há uma semana, segundo informações divulgadas pelo MIT Technology Review, que teve acesso às 22 páginas do relatório.

Os resultados mostraram que a vacina Pfizer é capaz de reduzir casos sintomáticos e mortes pela Covid-19 em mais de 93%. No estudo clínico controlado, a taxa foi de 95%, ou seja, bem próxima do mundo real. O estudo nacional também foi capaz de mostrar que as hospitalizações e mortes diminuíram em quantidades semelhantes no grupo vacinado. Por fim, como Israel testa as pessoas de forma bastante abrangente, os pesquisadores foram capazes de estimar que a vacina foi 89,4% eficaz na prevenção de qualquer infecção detectável, incluindo  assintomáticas.

A descoberta inédita sugere que a vacina pode suprimir fortemente a transmissão do vírus e ajudar a acabar com a pandemia. “A aplicação em massa da vacina pode conter significativamente a pandemia e oferece esperança para um eventual controle da pandemia, à medida que os programas de vacinação aumentam no resto do mundo”, diz o estudo.

Continua após a publicidade

De acordo com os autores, Israel pode se se tornasse o primeiro país a alcançar a chamada imunidade de rebanho, ou níveis de resistência da população altos o suficiente para controlar a propagação do vírus sem a necessidade de quarentena ou lockdown. “Israel pode se aproximar do limite de imunidade de rebanho contra o SARS-CoV-2d em março”, afirma o estudo.

Israel é o país que aplicou o maior quantidade de vacinas per capita, no mundo. Até este domingo, 21, foram aplicadas 7,1 milhões de doses da vacina, o que equivale a uma taxa de 78,8 doses por 100 habitantes, segundo ranking da Bloomberg.  Mais de 46% dos 9 milhões de habitantes de Israel já receberam pelo menos uma dose do imunizante da Pfizer, de acordo com o Ministério da Saúde local.

Como parte do acordo para aquisição das doses da vacina, o governo israelense concordou em fazer do país uma espécie de cobaia, abastecendo as farmacêuticas com todos os dados e estatísticas possíveis sobre a vacinação, em tempo real. Diante do sucesso da estratégia, neste domingo, as regras de confinamento finalmente foram afrouxadas em Israel. O primeiro passo para voltar à vida normal inclui a abertura de lojas, bibliotecas e museus. O uso de máscaras e a manutenção do distanciamento social, no entanto, continuam obrigatórios.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.