Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Vacina: Brasil já tem 140 milhões de doses garantidas no 1º semestre

Ministério da Saúde anunciou nesta quinta-feira, 8, a compra de 100 milhões de doses de Oxford e outras 40 milhões da iniciativa COVAX Facility

Por Giulia Vidale Atualizado em 8 out 2020, 19h46 - Publicado em 8 out 2020, 19h13

De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil possui cerca de 140 milhões de doses de vacina contra o coronavírus para o primeiro semestre do ano que vem. São 100, 4 milhões de doses provenientes do acordo com a farmacêutica Astrazeneca, que possui o licenciamento do imunizante da Universidade Oxford, e outras 42.511.800 da iniciativa COVAX Facility.

Ainda está prevista para o segundo semestre a produção de 100 a 165 milhões de doses da vacina de Oxford pela Fiocruz, totalizando ao menos 240 milhões de doses de uma vacina contra o novo coronavírus para 2021.

O governo disse ainda que acompanha de forma contínua diversas propostas de vacinas. “Mesmo com a Astrazeneca/Oxford, mesmo com todo esse investimento na Covax, nós continuamos acompanhando as diversas propostas de vacina no mundo inteiro”, disse Hélio Angotti Neto, secretário da Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde.

Outros nove desenvolvedores de vacina manifestaram interesse em negociar com o governo brasileiro. São eles: Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butantan, Moderna, Pfizer em parceria com a BioNtech, Sinopharm, a vacina russa ​​Sputinik V, Covaxx, Novavax, Janssen (farmacêutica do grupo Johnson & Johnson) e Merck.

“Fazemos reuniões constantes com empresas desenvolvedoras de vacina contra o Sars-CoV-2 que tenham esse interesse em realizar pesquisa no Brasil, em vender para o Brasil. Esse nosso acompanhamento ocorre por meio da verificação de quais são as evidências científicas a respeito da eficácia dessas vacinas, a respeito da segurança dessas vacinas, envolvendo também critérios como qual é a logística necessária para distribuição destas vacinas e a capacidade de entregas”, explicou Angotti Neto.

Nesta quinta-feira, 8, o Brasil teve médias móveis atualizadas em 25907,4 diagnósticos e 611 mortes por conta do novo coronavírus.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês