Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Uma verdade indigesta

A nutricionista americana Marion Nestle ganhou fama — e problemas — ao criticar a influência da indústria nos alimentos que consumimos

Aos 82 anos, a nutricionista americana Marion Nestle não tem medo de comprar briga com a indústria de alimentos (e convém ressaltar que seu sobrenome nada tem a ver com a marca suíça). No best-seller Uma Verdade Indigesta — Como a Indústria Alimentícia Manipula a Ciência do que Comemos, que acaba de ser lançado no Brasil (Editora Elefante), Marion usa informações detalhadas, resultado de pesquisas minuciosas, para demonstrar os danos potenciais dos produtos ultraprocessados, repletos de açúcares e gorduras. Para ela, não se trata de proibir o consumo, o que seria autoritário, na contramão da livre-­iniciativa e do livre-arbítrio, pilares de qualquer democracia, mas de saber discernir o exagero da verdade. Professora emérita da Universidade de Nova York, ela presta especial atenção nos rótulos que pouco informam. A seguir, as principais ideias de Marion.

O MITO DOS SUPUERALIMENTOS

“Não existe um único alimento poderoso. É invenção de marketing para aumentar a venda de alguns produtos. O resultado desse exagero: enorme risco para a saúde pública. Tomem-se como exemplo os ditos efeitos milagrosos do mirtilo (blueberry) para doenças graves, como o câncer, problemas cardíacos, diabetes e Alzheimer. Ao explorar exageradamente o potencial antioxidante da fruta, a indústria ganha rios de dinheiro vendendo uma falsidade. E as pessoas deixam de se cuidar como deveriam. Adoro mirtilo, mas não é um elixir. Seus poderes antioxidantes podem fazer bem, sim, mas jamais sozinhos. Nós, nutricionistas, somos constantemente assediados pelas empresas. Em 2008 recebi uma carta muito educada da Pom Wonderful, que produz suco de romã e suplementos nos Estados Unidos. Seus representantes diziam que admiravam meu trabalho mas haviam ficado desapontados por terem lido um artigo meu em que eu afirmava que a romã não era melhor do que qualquer outra fruta para a saúde. Ela era apenas brilhantemente comercializada. A noz-­pecã é outro exemplo emblemático. Em abril de 2016, recebi um e-mail da Companhia de Pecã da Geórgia do Sul em que me era perguntado se eu poderia conversar sobre os efeitos da noz-pecã no organismo. Respondi que, se a empresa quisesse promovê-la como um superalimento, infelizmente eu não poderia ajudá-la.”

A TRADIÇÃO VALE OURO

“Defendo o que chamo de comida da vovó. As recomendações dietéticas estabelecidas há décadas não mudam. Defendo a máxima do escritor Michael Pollan, autor de diversos livros sobre alimentação: ‘Coma comida de verdade, não muito, e prefira plantas’. Simples assim. Se você comer muito, engorda. A comida de verdade, não industrializada, rica em vegetais diversos, fornece todos os nutrientes necessários. Evite alimentos ultraprocessados, como sopas prontas e macarrão instantâneo, além de salgadinhos e biscoitos. Eles têm alto teor de sódio, açúcar e calorias, e pouco dos nutrientes de que necessitamos. Se for o caso de comê-los, e tudo bem fazer isso, não é o fim do mundo, a recomendação é não consumi-los muito nem com frequência. Outra regra básica: quer se alimentar direito? Cozinhe. Evite a comida pronta.”

ATENÇÃO PERMANENTE AO AÇÚCAR

“Em 2014, a agência reguladora de alimentos dos Estados Unidos (a FDA) propôs a inclusão de dados sobre a adição de açúcares nos rótulos de informação nutricional dos alimentos. Muitos produtos, até mesmo os salgados, utilizam o ingrediente de forma camuflada, para efeito de conservação. Ou, então, incluem açúcares além do contido naturalmente no ingrediente. Esse tipo de adição não costuma ser citado nos rótulos isoladamente. Como é habitual, a FDA abriu consulta pública. Grupos de consumidores e da saúde apoiaram a medida, mas a indústria alimentícia se opôs. A Sociedade Americana de Nutrição também se opôs, surpreendentemente. No final, a FDA não apenas decidiu pela anotação dos açúcares adicionados, como também estabeleceu o valor diário de até 10% das calorias como teto.”

A IMPORTÂNCIA DO RÓTULO

“O rótulo ideal dos alimentos não tem de ser complexo, com longas listas de compostos que fazem mal. Pelo contrário. O modelo perfeito é o utilizado no Chile. É efetivo simplesmente porque até crianças e analfabetos conseguem entendê-lo. São usados octógonos pretos para alertar sobre o excesso de sal, açúcar, gorduras e a presença de edulcorantes (a proposta é uma das ideias analisadas atualmente pela Agência de Vigilância Sanitária para ser adotada no Brasil). Esses compostos em exagero fazem mal e estão lá no produto. Mas, quando a informação está clara, temos a liberdade para escolher ou não as opções mais saudáveis. Contudo, o objetivo da indústria alimentícia é exatamente o contrário. Ela quer um modelo de rótulo incom­preensível, para camuflar os níveis de compostos perigosos, como açúcar, gordura e sódio.”

O NATURAL NÃO É NATURAL

“Em resposta às petições dos grupos de consumidores, a FDA recentemente abriu consulta pública sobre o significado de ‘natural’ no rótulo dos alimentos. Os comerciantes de produtos processados amam a palavra natural e a usam muitas vezes de maneira errada, como sinônimo de orgânico e saudável. Natural é um termo que vende, mas atenção: as regras permitem que a indústria use essa palavra se o produto não contiver sabores artificiais, cor adicionada ou substâncias sintéticas. O que significa, por exemplo, que xarope de milho, rico em frutose, e adoçantes como o de estévia podem ser chamados de naturais. Está errado. Natural é o que vem da terra, não o que foi manipulado.”

A INFLUÊNCIA DA INDÚSTRIA

“As estratégias da indústria alimentícia são baseadas naquelas utilizadas pela indústria de cigarro no passado. Elas financiam pesquisas de seu interesse, oferecem presentes a formadores de opinião, promovem a autorregulação e enfatizam ações de responsabilidade social. As grandes corporações trabalham com nutricionistas há muito tempo nos Estados Unidos. Elas patrocinam associações de nutricionistas e encontros de nutrição, financiam estudos, presenteiam, pagam viagens, fornecem materiais de ensino. Tudo isso para que os profissionais promovam seus produtos ou, pelo menos, não os critiquem. Os nutricionistas valem ouro porque estão em posição de influenciar os consumidores. O problema não está na qualidade científica dos estudos financiados pela indústria. O erro está no modo como os resultados são apresentados. Há solução? Sim. Os governos e as fundações têm poder de mudar esse cenário. Mas os investimentos são escassos. Talvez porque não queiram. O governo dos EUA está nas mãos das corporações e é improvável que ele faça qualquer movimento que interfira nos negócios. O governo americano subsidia os custos dos alimentos ultraprocessados para torná-­los mais baratos. E os custos de marketing são dedutíveis do imposto de renda. Precisamos ter cuidado: ciência não é marketing.”

Publicado em VEJA de 29 de maio de 2019, edição nº 2636

Envie sua mensagem para a seção de cartas de VEJA
Qual a sua opinião sobre o tema desta reportagem? Se deseja ter seu comentário publicado na edição semanal de VEJA, escreva para veja@abril.com.br