Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Selfie: o real motivo de 55% das plásticas de nariz, diz pesquisa

Médicos afirmam haver distorção de imagem em fotos aproximadas. Cirurgias são totalmente desaconselhadas

Por da Redação Atualizado em 2 mar 2018, 20h04 - Publicado em 2 mar 2018, 19h42

De acordo com uma pesquisa de 2018 realizada pela Academia Americana de Cirurgiões Plásticos Faciais e Reconstrutores, publicado no prestigiado jornal  Jama Network, 55% das cirurgias plásticas no nariz feitas em todo o mundo durante o ano de 2017 tiveram um único motivo: sair melhor em selfies.

Em 2016, o número já chegava a 42%. Em outras palavras, os pacientes procuraram os especialistas porque não estavam gostando do formato de seus narizes nas fotos que tiravam com seus smartphones.

Chamado de “Distorção nasal em autorretratos de curta distância: o efeito selfie”, o estudo explica que existe uma razão para toda essa procura por cirurgia no nariz. De acordo com os pesquisadores, em média, selfies são tiradas a 30 cm do rosto, e, a essa distância, as câmeras frontais dos celulares distorcem a face do usuário.

Foto tirada a 30 centímetros (à esq) e ao lado uma foto tirada a 1,5 metro Boris Paskhover/Rutgers New Jersey Medical School/.

Após análise de diversas imagens, descobriram que tal efeito causa um aumento de 30% no nariz dos homens, e 20% no nariz das mulheres que aparecem em fotografias bem aproximadas do rosto, especialmente quando a pessoa fica posicionado ao meio do quadro da imagem.

Esse efeito de distorção é uma consequência de um tipo de lente conhecido como “wide”, que todas as fabricantes utilizam para que seja possível colocar mais de uma pessoa na mesma foto selfie.

Boris Paskhover, cirurgião plástico e um dos autores do trabalho, não aconselha jovens adultos a fazerem plástica no nariz por conta de como seria a imagem em uma foto tão aproximada. “Jovens adultos estão constantemente tirando selfies para postar em redes sociais e pensam que essas imagens representam sua aparência real, o que pode ter um impacto no seu estado emocional”, explicou. “Gostaria que eles percebessem que, quando eles tiram uma selfie, que estão essencialmente olhando para um espelho de entretenimento portátil”, reiterou.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês