Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Remédio para obesidade reduz eventos cardiovasculares graves em 20%

Dado é de estudo com mais de 17 mil pacientes com semaglutida de 2,4 mg em pessoas com doença cardiovascular; Wegovy deve chegar ao Brasil em 2024

Por Paula Felix Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 8 ago 2023, 13h16 - Publicado em 8 ago 2023, 12h49

A farmacêutica dinamarquesa Novo Nordisk divulgou nesta terça-feira, 8, que o medicamento Wegovy (semaglutida 2,4 mg), fármaco usado para o tratamento de obesidade, é capaz de reduzir em 20% o risco de eventos cardiovasculares graves, como infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral (AVC) e morte cardiovascular por um período de até cinco anos. Os dados são de um estudo iniciado em 2018 com 17,6 mil pacientes com mais de 45 anos e sobrepeso ou obesidade, além de doença cardiovascular estabelecida, mas sem diagnóstico de diabetes tipo 2.

O estudo Select, que terá todos os seus resultados divulgados em congresso no final deste ano, comparou a aplicação subcutânea semanal de semaglutida 2,4 mg com placebo em uma análise realizada em 41 países em mais de 800 centros de investigação. No Brasil, 600 voluntários participaram do ensaio. A ideia era avaliar se a droga teria efeito protetor contra eventos cardiovasculares adversos graves (MACEs, na sigla em inglês).

“As pessoas que vivem com obesidade têm um risco aumentado de doença cardiovascular, mas, até o momento, não há medicamentos aprovados para controle de peso que comprovadamente proporcionem um controle de peso eficaz e, ao mesmo tempo, reduzam o risco de ataque cardíaco, derrame ou morte cardiovascular”, disse, em nota, Martin Holst Lange, vice-presidente executivo de Desenvolvimento da Novo Nordisk. Ele classificou o estudo como “histórico” pelo potencial que a droga tem de “mudar a forma a obesidade é considerada e tratada”.

Os resultados também foram avaliados como positivos por Paulo Augusto Carvalho Miranda, presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM). “Nenhum tratamento farmacológico conseguiu demonstrar este resultado, apenas a cirurgia bariátrica em pessoas com obesidade mais grave demostraram isso. Então, temos um excelente resultado, que é muito interessante em termos de cenários para o tratamento de pessoas com obesidade.”

A empresa informou que deve solicitar aprovações regulatórias para expandir a indicação na bula do medicamento nos Estados Unidos e na União Europeia ainda neste ano. O Wegovy já está liberado para uso nos Estados Unidos, Dinamarca, Noruega e Alemanha.

Continua após a publicidade

No Brasil, o medicamento foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) apenas para pessoas com sobrepeso (e comorbidades) e obesidade em janeiro deste ano. No entanto, com a alta demanda e risco de desabastecimento, a farmacêutica adiou o lançamento do remédio no país para 2024.

Segundo a Novo Nordisk, testes apontaram que o medicamento foi capaz de reduzir o peso corporal em até 17% em 68 semanas. Ainda de acordo com a empresa, o tratamento – feito com injeções semanais – ajudou na redução de 20% do peso corporal de uma em cada três pessoas e 83,5% dos pacientes apresentaram queda no peso igual ou superior a 5%.

artes Ozempic
(./.)

A semaglutida faz parte de uma classe de medicamentos que estão entre as apostas dos cientistas como potente arma contra a obesidade: as substâncias que atuam nos receptores de hormônios produzidos pelos intestinos, como o GLP-1, ligado à regulação do apetite e redutor do ritmo de esvaziamento do estômago, aumentando, assim, a duração da sensação de saciedade. Entre os efeitos colaterais, estão alterações gastrointestinais, como náuseas, diarreia, vômitos, constipação e dores abdominais. 

Continua após a publicidade

A droga também está sendo investiga em estudos para o tratamento da Doença de Alzheimer, controle do alcoolismo e redução da gordura no fígado.

Obesidade

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), havia, em 2020, 1 bilhão de pessoas com obesidade no mundo. A estimativa é de que, em 2025, 167 milhões de pessoas terão a saúde afetada pelo excesso de peso.

A obesidade é uma doença crônica relacionada com risco aumentando de desenvolver condições de saúde como doenças cardiovasculares, câncer e diabetes tipo 2.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.