Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Quatro hospitais de SP não recebem novos casos de Covid-19 há uma semana

Levantamento foi feito pelo governo paulista. As quatro instituições estão localizadas em regiões com alta taxa de cobertura vacinal

Por da Redação 25 out 2021, 16h54

Quatro hospitais estaduais de referência para Covid-19 de São Paulo não recebem novos casos da doença há pelo menos uma semana. Desde o último dia 13, o Hospital Estadual de Américo Brasiliense, em Araraquara, não registra internação de pacientes confirmados com o novo coronavírus. Também não há nenhum paciente internado com a enfermidade na unidade, que está atendendo outras patologias devido à queda na demanda pela doença. A taxa de ocupação de leitos é de 10,6% em unidade de terapia intensiva (UTI) e 10,5% em enfermaria. Nessa região, 707 mil moradores estão com esquema vacinal completo.

No Hospital Estadual de Bauru, que também não recebe novos casos da doença desde 13 de outubro, há quatro pacientes internados na enfermaria e nenhum na UTI. A ocupação regional é de 17,1% em UTIs e 6,5% dos leitos clínicos, com mais de 1,2 milhão de pessoas integralmente imunizadas.

Na Baixada Santista, o Hospital Regional de Itanhaém está há dez dias sem registrar novos casos e também não tem, no momento, pacientes com Covid-19 internados previamente. A região registra ocupação de 23,2% em UTI e 15,2% em enfermaria, e 1,1 milhão de residentes do litoral Sul do Estado concluíram o esquema vacinal.

No Hospital Estadual Mário Covas, em Santo André, há três semanas não são internados novos casos da doença. O serviço recebe pacientes por meio do referenciamento de unidades como UBSs e UPAs do Grande ABC, por meio da Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde (Cross). Atualmente há apenas quatro pacientes internados em enfermaria e três, na UTI. A taxa de ocupação da Grande SP é de 31,6% e 36,1%, respectivamente, e ultrapassa 14,2 milhões de pessoas com proteção completa contra a doença.

Com Agência Brasil

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

Os hospitais estão localizados nas regiões de Araraquara, Bauru, Baixada Santista e Grande São Paulo, onde o percentual da população com vacinação completa ultrapassa 60%.

As quatro regiões também têm baixos indicadores de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e clínicos. A queda na demanda é reflexo da campanha de vacinação e do avanço na cobertura com esquemas vacinais completos.

Segundo as informações do governo estadual, desde o último dia 13, o Hospital Estadual de Américo Brasiliense, em Araraquara, não registra internação de pacientes confirmados com o novo coronavírus. Também não há nenhum paciente internado com covid-19 na unidade, que está atendendo outras patologias devido à queda na demanda pela doença. A taxa de ocupação de leitos é de 10,6% em unidade de terapia intensiva (UTI) e 10,5% em enfermaria. Nessa região, 707 mil moradores estão com esquema vacinal completo.

No Hospital Estadual de Bauru, que também não recebe novos casos da doença desde 13 de outubro, há quatro pacientes internados na enfermaria e nenhum na UTI. A ocupação regional é de 17,1% em UTIs e 6,5% dos leitos clínicos, com mais de 1,2 milhão de pessoas integralmente imunizadas.

Na Baixada Santista, o Hospital Regional de Itanhaém está há dez dias sem registrar novos casos e também não tem, no momento, pacientes com covid-19 internados previamente. A região registra ocupação de 23,2% em UTI e 15,2% em enfermaria, e 1,1 milhão de residentes do litoral Sul do Estado concluíram o esquema vacinal.

No Hospital Estadual Mário Covas, em Santo André, há três semanas não são internados novos casos da doença. O serviço recebe pacientes por meio do referenciamento de unidades como UBSs e UPAs do Grande ABC, por meio da Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde (Cross). Atualmente há apenas quatro pacientes internados em enfermaria e três, na UTI. A taxa de ocupação da Grande SP é de 31,6% e 36,1%, respectivamente, e ultrapassa 14,2 milhões de pessoas com proteção completa contra a covid-19.

Continua após a publicidade

Publicidade