Clique e assine a partir de 9,90/mês

Quanto exercício é preciso para queimar as calorias de uma pizza?

Pesquisadores britânicos defendem que esse tipo de informação esteja disponível na embalagem dos alimentos como estratégia de combate à obesidade

Por Da Redação - 11 dez 2019, 13h34

A quantidade de energia de um alimento ou bebida é medida em calorias e essa informação está contida na embalagem, com base em uma ingestão diária de 2.000 calorias. No entanto, é difícil para o consumidor conseguir quantificar de fato o que aquela quantidade de calorias significa, na prática. Por exemplo: dois pedaços de pizza têm cerca de 449 calorias e uma lata de refrigerante, 138. Mas, na prática, o que isso significa?

Basicamente, você precisaria andar 83 minutos ou correr 43 minutos para queimar as calorias da pizza e correr 13 minutos ou andar 26 minutos para queimar uma latinha de refrigerante. De acordo com pesquisadores da Universidade de Loughborough, no Reino Unido, a disponibilização desse tipo de informação na embalagem dos alimentos ajuda as pessoas a fazerem escolhas alimentares mais conscientes e caírem menos em tentação. O que, por sua vez, serviria como um incentivo a hábitos alimentares mais saudáveis ​​para combater a obesidade.

“Quando um consumidor vê um símbolo visual que indica que levará 4 horas para queimar uma pizza e apenas 15 minutos para queimar uma salada, isso em teoria deve criar uma conscientização sobre o ‘custo de energia’ dos alimentos/bebidas”, escreveram os autores

No estudo publicado recentemente no periódico científico Journal of Epidemiology and Community Health, os pesquisadores analisaram 15 estudos entre ensaios clínicos e estudos experimentais sobre os efeitos da rotulagem de alimentos pelo método PACE (sigla para physical activity calorie equivalent ou equivalente de calorias em atividade física, em tradução livre) na seleção, compra ou consumo de alimentos e bebidas.

Continua após a publicidade

Os resultados mostraram que a rotulagem de alimentos PACE pode reduzir o número de quilocalorias selecionadas nos menus e diminuir o número de quilocalorias / gramas de alimentos consumidos pelo público, em comparação com outros tipos de rotulagem ou sem rotulagem.

Excesso de calorias

A obesidade é um dos principais contribuintes para muitas doenças crônicas relacionadas à nutrição, incluindo diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e câncer. O sobrepeso e a obesidade acontecem quando uma pessoa ingere mais calorias do que queima. Esse excesso de calorias, mesmo que um pouco a cada dia, é armazenado no corpo como gordura e provoca o aumento de peso com o passar do tempo.

A rotulagem nutricional é uma maneira de reduzir o consumo de calorias, pois mostra ao consumidor a quantidade de calorias e nutrientes presentes naquele alimento. Entretanto, de acordo com os autores, as evidências mostram que as informações nutricionais presentes nas formas de rotulagem frontal disponíveis atualmente têm um efeito limitado na mudança de comportamentos de compra ou alimentação porque muitas pessoas não entendem o significado de calorias ou gramas de gordura em termos de balanço energético.

“Sabemos que o público subestima rotineiramente o número de calorias que estão nos alimentos. Então, se você compra um muffin de chocolate e ele contém 500 calorias, por exemplo, são cerca de 50 minutos de corrida. Isso definitivamente não é sobre fazer dieta. Trata-se de educar o público que, quando você consome alimentos, há um custo energético, e isso faça as pessoas refletirem: ‘Eu realmente quero passar duas horas queimando aquele bolo de chocolate? O bolo de chocolate realmente vale a pena?’. Estamos interessados ​​em diferentes maneiras de levar o público a tomar boas decisões sobre o que comem e também a tentar tornar o público mais ativo fisicamente. […] ‘”, disse a pesquisadora Amanda Daley, à rede BBC.

Continua após a publicidade

Veja abaixo quanto tempo (em minutos) de atividade física é necessário para queimar alguns alimentos:

Alimento Calorias Caminhada (3-5km/h) Corrida (5-8km/h)
Uma tigela de cereal 172 31 minutos 16 minutos
Uma barra de chocolate 229 42 minutos 22 minutos
Uma lata de refrigerante 138 26 minutos 13 minutos
Muffin de mirtilo 265  48 minutos 25 minutos
Um pacote de batata chips 171 31 minutos 16 minutos
Sanduíche de bacon e frango 445 82 minutos 42 minutos
Dois pedaços de pizza 449 83 minutos 43 minutos

A Royal Society for Public Health, instituição de caridade dedicada à melhoria da saúde pública, defende que esse novo tipo de rotulagem seja introduzido o mais rápido possível. Ainda segundo a entidade, esse é um movimento que agrade muitos consumidores. “Esse tipo de rotulagem realmente coloca o consumo de calorias de um indivíduo no contexto de gasto de energia. Pequenas mudanças podem fazer uma grande diferença no consumo geral de calorias e, finalmente, no ganho de peso”, diz.

Por outro lado, há preocupações sobre rotular os alimentos dessa maneira. Em entrevista à BBC, Tom Quinn, da instituição de caridade Beat, alerta: “Embora reconheçamos a importância da redução da obesidade, rotular alimentos dessa maneira corre o risco de ser incrivelmente negativo para aqueles que sofrem ou são vulneráveis ​​a distúrbios alimentares. Sabemos que muitas pessoas com distúrbios alimentares sofrem com a prática excessiva de exercícios; portanto, saber exatamente quanto exercício seria necessário para queimar determinados alimentos corre o risco de exacerbar seus sintomas”.

Alteração no rótulo

A discussão sobre alterações no rótulo dos alimentos como forma de torna-los mais informativos, mais fáceis de ler e como estratégia para combater a obesidade está em pauta em diversos países, incluindo o Brasil. Recentemente, a Anvisa encerrou a consulta pública para definir um novo formato para as etiquetas de alertas aos compradores. As mudanças propostas incluem uma rotulagem frontal que que alerte para a presença exagerada de gordura, sal ou açúcar e alterações na tabela nutricional tradicional, de modo a padronizar a exibição de dados e permitir maior facilidade de leitura.

Publicidade