Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Por que a variante descoberta na Índia preocupa o Brasil e o mundo?

B.1.617 foi detectada ainda em 2020 no país asiático, porém o descontrole recente da pandemia alerta os cientistas globalmente

Por Matheus Deccache Atualizado em 18 Maio 2021, 18h40 - Publicado em 18 Maio 2021, 17h26

O recente descontrole da pandemia na Índia levou o Brasil e o mundo a um novo estágio de preocupação com a variante B.1.617. Embora não seja uma novidade – sua descoberta aconteceu em outubro de 2020 –, o número de casos provocados por ela no país asiático aumentou consideravelmente nas últimas semanas. Além disso, a cepa foi detectada em outros 44 países espalhados pelos seis continentes.  

No Reino Unido, o grande aumento de novos casos causados pela B.1.617 ameaçam a reabertura econômica e social no país, planejadas para junho. Embora o Brasil ainda não tenha registrado a presença da nova cepa no seu território, a confirmação de sua chegada na vizinha Argentina e a internação de um paciente indiano no Maranhão ligam o sinal de alerta no país.  

Essa variante possui três versões com pequenas diferenças. A análise genética revelou que elas têm mutações importantes nos genes que codificam a espícula, proteína localizada na superfície do vírus e responsável por dar início à infecção ao se conectar com as células humanas. 

Dentre todas as alterações, algumas chamam bastante a atenção de cientistas ao redor do mundo inteiro, com destaque para três: a L452R, a E484Q e a P681R. Enquanto a primeira já havia sido encontrada em variantes nos estados de Nova York e Califórnia, a segunda possui grandes similaridades com as linhagens encontradas no Brasil, Reino Unido e África do Sul. A terceira, apesar do destaque, ainda não parece ter sido encontrada fora do território indiano.  

LEIA TAMBÉM: Ann Lindstrand, da OMS: “Ninguém está seguro até todos estarmos seguros”

Em resumo, os novos aprimoramentos encontrados nessas variantes podem representar uma facilidade de infecção do coronavírus nos seres humanos. Antes necessitando de uma carga viral maior, agora o vírus pode depender de uma carga um pouco mais baixa, o que representa um grande aumento na disseminação do mesmo.  

Apesar de todas as descobertas recentes sobre a B.1.617, muito não se sabe sobre ela. Os cientistas ainda não conseguiram definir, por exemplo, a sua real velocidade de transmissão e até onde as suas alterações genéticas influenciam na eficácia das vacinas disponíveis. Além disso, ainda não se pode ter certeza que a nova cepa é responsável pelos casos mais graves da Covid-19, que exigem internação e intubação.

Continua após a publicidade

Com base no que se tem de dados até agora, o Grupo Independente de Aconselhamento Científico para Emergências do Reino Unido (Indie-Sage) montou projeções para entender como a nova variante pode influenciar a pandemia por lá. Caso a B.1.617 seja em média 35% mais transmissível que a B.1.1.7, é possível que o país viva uma nova onda de hospitalizações nos moldes das ondas anteriores. Se ficar provado ainda que a nova cepa pode “burlar” a vacina, um cenário ainda mais caótico pode se formar.  

O Reino Unido é um dos países com o melhor sistema de monitoramento do vírus do mundo. Através desse sistema foi possível identificar que em apenas uma semana, o número de casos provocados por essa nova variante quase triplicou. Em 12 de maio, mais de 1.300 análises identificaram a nova variante, contra 520 na semana anterior. Em algumas regiões inglesas, inclusive, a B.1.617 já é considerada a cepa dominante.  

Em meio a inúmeros recordes negativos na Índia, ainda é cedo para atribuir o aumento vertiginoso de casos e mortes apenas a novas variantes. Uma análise realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no dia 9 de maio atenta para as novas cepas, mas destaca também as recentes aglomerações relacionadas a eventos religiosos e políticos e ao relaxamento de medidas restritivas, como o uso de máscaras e o distanciamento social.  

Enquanto a OMS destaca a B.1.617 como “variante de preocupação legal”, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) ainda aguardam mais dados para dar um parecer definitivo.  

Embora a nova variante ainda não tenha sido detectada em território brasileiro, o sinal de alerta já foi ligado. Dois casos da nova variante foram detectados na Argentina, país vizinho com constante fluxo de pessoas entre eles. Além disso, a chegada de um navio na capital maranhense, São Luís, trouxe um paciente indiano infectado pelo novo coronavírus. Ele segue em observação e isolamento em um hospital privado, ao mesmo tempo que a vigilância sanitária decretou a quarentena de todos os tripulantes da embarcação.  

Há 15 dias, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sugeriu que o governo federal tomasse medidas mais contundentes, como a proibição de voos vindos da Índia. A medida, porém, só foi tomada dez dias depois.  

Ainda não está claro como a nova variante pode se comportar em uma eventual chegada ao Brasil, tomado pela variante P.1. As variantes britânica e sul-africana, por exemplo, até chegaram a ser detectadas em território brasileiro, porém não se desenvolveram como em outras nações. A P.1 foi detectada pela primeira vez em Manaus e se alastrou por todo o país em questão de semanas, se tornando a linhagem mais frequente nas transmissões vistas no país.  

O Brasil já registrou, desde o início da pandemia, mais de 15,7 milhões de casos do novo coronavírus. Destes, 437 mil evoluíram para óbito. O ritmo de vacinação no país segue a passos lentos, com cerca de 36 milhões de doses aplicadas até o momento, o equivalente a pouco mais de 17% de toda a população. 

Continua após a publicidade
Publicidade