Clique e assine com até 92% de desconto

Planos de saúde terão de avaliar hospitais e médicos

Medida da ANS entrará em vigor no próximo mês. Operadora que não informar a qualificação dos serviços aos clientes será multada em 35 000 reais

Por Da Redação 21 fev 2014, 10h05

A partir do mês que vem, todas as operadoras de planos de saúde serão obrigadas a informar aos clientes indicativos de qualidade de sua rede de prestadores de serviço. Segundo o diretor-presidente da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), André Longo, hospitais, laboratórios e médicos serão qualificados de acordo com uma série de critérios estabelecidos pela agência.

O resultado dessa avaliação deverá ser publicado pelas operadoras em todo o material de divulgação de sua rede assistencial, nas versões on-line e impressa. A iniciativa faz parte do programa Qualiss, desenvolvido pela ANS para tentar melhorar o controle sobre a qualidade do serviço prestado.

�O programa vai pontuar, por um conjunto de atributos de qualificação, tanto os profissionais quanto a rede hospitalar, clínica e de laboratórios que têm convênio com operadoras. “Queremos avaliar a qualidade desse serviço que está sendo prestado ao consumidor para dar mais segurança e, também, para dar uma divulgação desses indicadores e facilitar a escolha do consumidor quando for buscar algum tipo de serviço�”, diz Longo.

Leia também:

ANS suspende vendas de 83 planos de saúde

Continua após a publicidade

40% dos planos de saúde têm rede própria de atendimento

As operadoras que não publicarem as informações passadas pelo prestador de serviço receberão multa de 35.000 reais.

Reclamações – De acordo com Longo, também em março, a ANS atuará com o mesmo rigor com todos as reclamações recebidas contra planos de saúde, incluindo as falhas não relacionadas à cobertura. Hoje, a agência só dá prazo máximo para as operadoras responderem esse tipo de problema. A partir do dia 17 do mês que vem, as reclamações sobre outros assuntos, como reajustes abusivos e quebras de contrato, receberão o mesmo tratamento.

�Hoje, essas demandas são tratadas sem um fluxo de tempo para a resposta. Isso vai passar a existir e o consumidor vai poder, até mesmo, acompanhar as suas demandas no site da agência�, disse. Segundo Longo, somente no ano passado, a ANS recebeu mais de 100.000 reclamações. Cerca de 70.000 delas foram relacionadas à cobertura.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade