Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Pela primeira vez, vacina de zika será testada em humanos

Os resultados do estudo, que busca avaliar a segurança e tolerabilidade do imunizante, serão anunciados ainda este ano

A agência americana de medicamentos (FDA, na sigla em inglês) aprovou nesta segunda-feira o início de testes de uma vacina contra zika em humanos. O ensaio clínico tem como objetivo determinar a segurança e tolerabilidade do imunizante produzido pela americana Inovio Pharmaceuticals, em parceria com a sul coreana GeneOne Life Sciences. Caso seja bem sucedida, a próxima fase de estudos irá verificar a eficácia e eficiência do produto.

O teste, que começará em algumas semanas, consistirá na aplicação da vacina – chamada GLS-5700 – em 40 voluntários saudáveis. O produto é o que se conhece por vacina de DNA, ou seja, é baseado em DNA geneticamente modificado que imita o vírus. Ao ser injetado no corpo, esse material chega até as células, que por sua vez, começam a produzir substâncias que seriam normalmente produzidas pelo vírus. Ao encarar o zika como um invasor que precisa ser atacado, nosso corpo inicia uma resposta do sistema imunológico que estimula a produção de anticorpos linfócitos T, células responsáveis por identificar e matar as células infectadas, criando assim uma memória imunológica.

Leia também:
OMS pede mais de 120 milhões de dólares para combater a zika
Estados Unidos querem desenvolver vacina contra o zika

Testar a segurança de uma vacina em voluntários saudáveis é um procedimento de praxe no desenvolvimento de vacinas. Se os resultados deste ensaio forem positivos, a próxima fase consistirá em testar a eficiência e eficácia do imunizante em pessoas infectadas. Segundo a Inovio, os testes realizados em animais de grande porte – macacos e roedores – mostraram uma forte resposta imunológica desencadeada pela GLS-5700.

Embora acredite que uma dose seja suficiente para proteger contra o zika, Joseph Kim, presidente da Inovio, disse que a empresa também vai testar a segurança e tolerabilidade de regimes de duas e três doses, com um mês de intervalo entre cada uma. Espera-se que os resultados da fase I estejam disponíveis até o final deste ano.

Outras vacinas contra zika estão em fase inicial de desenvolvimento pelo Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIH, na sigla em inglês), pela farmacêutica francesa Sanofi e pela indiana Bharat Biotech.