Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

OMS declara surto de ebola uma emergência internacional

Organização pediu uma coordenação global para impedir a disseminação do vírus. Maior surto da doença da história já matou mais de 900 no oeste da África

Por Da Redação 8 ago 2014, 06h32

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou nesta sexta-feira a epidemia de ebola no oeste da África uma emergência de saúde internacional e pediu uma coordenação global para impedir a disseminação do vírus. Até agora, mais de 900 pessoas morreram na Libéria, Guiné, Serra Leoa e Nigéria no maior surto de ebola da história.

Leia mais:

OMS considera usar tratamento experimental contra o ebola

Ebola: saiba qual é o risco de a epidemia chegar ao Brasil

A OMS declarou a emergência depois de uma reunião de dois dias convocada na Suíça para discutir o surto. Com isso, os países onde foram registradas infecções terão de realizar exames para detectar o ebola naqueles que apresentarem os sintomas da doença em aeroportos, portos e postos de fronteira.

“As possíveis consequências de uma propagação internacional são particularmente graves tendo em vista a agressividade do vírus, os padrões de transmissão e os precários sistemas de saúde dos países afetados”, afirmou a OMS em comunicado. Para a organização, o surto atual é um “evento extraordinário” que exige mobilização global. “Uma resposta internacional coordenada é essencial para interromper e reverter a propagação internacional do ebola.”

Por enquanto, a OMS não estuda recomendar a restrição nas viagens aos países afetados. Citado pela rede britânica BBC, o responsável pelo setor de segurança sanitária da OMS, Keiji Fukuda, afirmou que com as medidas certas a epidemia de ebola pode ser erradicada. “Não é uma doença misteriosa. É uma doença infecciosa que pode ser contida. Não é uma vírus que se espalha pelo ar”, disse ele.

Números – Desde março deste ano, já foram registrados 1.711 casos de ebola e 932 mortes no atual surto do ebola. Os países infectados são Serra Leoa, Libéria, Guiné e Nigéria. Não existe vacina ou um remédio que cure a doença. A mortalidade da doença pode chegar a 90% – no surto atual, a taxa está em 56%. O vírus é transmitido de pessoa para pessoa principalmente a partir do contato direto com sangue, secreções e outros fluidos corporais.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês