Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Mulheres têm risco 40% maior de sofrer algum transtorno mental, diz estudo

Estudo feito por psicólogo britânico constatou que essa chance é ainda maior quando se trata de certas doenças específicas, como depressão e ansiedade

Por Da Redação
22 Maio 2013, 19h09

As mulheres têm uma chance 40% maior do que os homens de sofrer algum transtorno mental, concluiu uma análise feita por Daniel Freeman, psicólogo da Universidade Oxford, na Grã-Bretanha. Em entrevista ao jornal britânico The Guardian, o especialista disse que uma das explicações para esse índice elevado é que as doenças psiquiátricas que afetam mais as mulheres também são as mais comuns entre a população, como é o caso da depressão e da ansiedade.

Esse trabalho foi realizado por Freeman para o seu livro The Stressed Sex (em português, O Sexo Estressado), lançado nesta quarta-feira. No livro, o psicólogo discute se há diferenças de gênero quando se trata de doenças psiquiátricas. As conclusões do estudo foram tiradas a partir da análise de 12 pesquisas epidemiológicas de larga escala feitas na Europa, Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia.

Segundo o jornal britânico, a pesquisa de Freeman concluiu que mulheres têm uma chance 75% maior do que os homens de ter sofrido depressão em um período recente, e 60% maior de ter sofrido transtorno de ansiedade. Além disso, o levantamento indicou que problemas como o abuso de substâncias químicas são 2,5 vezes mais prevalentes entre o sexo masculino. A prevalência de condições como o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e esquizofrenia, por outro lado, não pareceu ser significativamente distinta entre os gêneros.

Leia também:

Nova ‘bíblia da psiquiatria’ vem aí. E, com ela, mais doenças

Continua após a publicidade

Identificado fator genético comum a cinco doenças mentais

Ansiedade: problema está na sua cabeça ou na do médico?

“Há um padrão em que mulheres tendem a sofrer mais do que chamamos de problemas ‘internos’, como depressão ou distúrbios do sono. Elas pegam os problemas para si, enquanto os homens tendem a externalizar os problemas e os transferem para coisas de seus ambientes, como problemas com álcool e raiva”, disse Freeman ao jornal The Guardian.

Para o psicólogo, vários fatores contribuem com as diferenças de doenças psiquiátricas entre o sexo – incluindo os fisiológicos, biológicos e também sociais. “As mulheres tendem a se ver mais negativamente do que os homens, e isso é um fator de vulnerabilidade para muitos problemas de saúde mental.”

Continua após a publicidade

Vídeos:

Ansiedade não tem cura, mas tem tratamento

Médico explica como Sidentificar e tratar os sintomas da depressão

Contraponto – Em entrevista ao The Guardian, Kathryn Abel, professora do Centro para a Saúde Mental da Mulher da Universidade de Manchester, disse que é preciso ter cautela ao analisar os dados de Freeman. Segundo ela, em estudos como o do psicólogo, há sempre o risco de o autor selecionar apenas pesquisas que colaboram com sua tese – e deixar de lado da análise trabalhos que a contrariam.

Continua após a publicidade

“Apesar das desigualdades, a saúde da nossa população nunca esteve tão boa: as mulheres, como os homens, estão vivendo mais e de forma mais saudável do que nunca”, disse Abel ao jornal. Segundo a professora, porém, ainda não há evidências fortes suficientes para nos dizer se – e como – o sexo está relacionado com algum fator específico que leve às doenças psiquiátricas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.