Clique e assine a partir de 9,90/mês

Mortes por câncer caem no Brasil e em mais oito países do continente americano

Na maioria dos países, cânceres de mama e de próstata são os que mais causam óbitos

Por Da Redação - 6 nov 2013, 10h11

O número de mortes por câncer está em queda em nove países do continente americano, incluindo o Brasil. Mesmo assim, é a segunda doença que mais mata na América, sendo responsável por 1,3 milhões de óbitos por ano na região, atrás somente dos problemas cardiovasculares.

Esses dados fazem parte do relatório de 2013 sobre o câncer no continente, divulgado nesta terça-feira pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). Segundo o documento, além do Brasil, Estados Unidos, México, Canadá, Venezuela, Argentina, Chile, Paraguai e Nicarágua também registraram queda na mortalidade.

Leia também:

América Latina terá 1,7 milhão de novos casos de câncer em 2030

Continua após a publicidade

O relatório também mostra que metade das mortes por câncer no continente ocorre em países da América Latina e do Caribe. Entre esses países, é possível observar tanto as taxas mais altas de mortalidade do continente (em Trinidad y Tobago, Cuba e Argentina) quanto as mais baixas (no México, Nicarágua e El Salvador).

Ainda de acordo com o relatório, em geral, as mortes por câncer atingem mais os homens do que as mulheres. Na maioria dos países, o câncer de mama é o que causa mais mortes entre as mulheres. Entre os homens, é o de próstata.

No entanto, esses dados podem variar de acordo com cada país. Na América Latina e Caribe, por exemplo, os tipos da doença que provocam mais óbitos entre os homens são, respectivamente, os cânceres de próstata, de pulmão, de estômago e do colorretal. Entre as mulheres, são os tumores de mama, de estômago, de pulmão, da cervical e do colorretal. Nos Estados Unidos e Canadá, por outro lado, o câncer de pulmão é o que mais mata em ambos os sexos.

O relatório da Opas é feito a partir de dados sobre mortalidade por câncer registrados pelos países entre 2000 e 2010.

Continua após a publicidade

(AFP)

Publicidade