Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ministério da Saúde estuda incorporar vacina contra Covid no PNI

Serão priorizados públicos que correm mais risco de apresentar as formas graves da doença, como crianças, idosos e gestantes; meta é fazer inclusão em 2024

Por Paula Felix Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 21 set 2023, 18h50 - Publicado em 21 set 2023, 18h27

O Ministério da Saúde estuda a incorporação das vacinas contra a Covid-19 no calendário do Programa Nacional de Imunizações (PNI). A informação foi confirmada pelo diretor do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Eder Gatti, durante evento da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

Segundo a pasta, a medida será discutida com os estados e municípios. No calendário, serão priorizados públicos que correm mais risco de apresentar as formas graves da doença, caso das crianças entre 6 meses e cinco anos de idade, pessoas acima de 60 anos, imunocomprometidos, trabalhadores de saúde, gestantes e puérperas.

“Outros grupos poderão ser incluídos, a partir da avaliação e análise da Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização da Covid-19 (Ctai)”, informou, em nota.

Gatti informou que a pasta tem observado as recomendações internacionais, principalmente da Organização Mundial da Saúde (OMS), e de especialistas de sociedades médicas.

Continua após a publicidade

“A vacinação contra a Covid-19 ainda é considerada campanha. Não teve um processo de incorporação no calendário oficialmente. A gente está em outro cenário epidemiológico, este ano é de transição, e precisa pensar em ter uma estratégia mais definitiva e alinhada com uma rotina.” Segundo ele, a meta é de que seja possível anunciar a inclusão no calendário de 2024.

O aumento de casos decorrente da queda da cobertura vacinal com as doses mais atualizadas, caso do imunizante bivalente, e o índice baixo de testagem são preocupações dos especialistas, pois o vírus continua em circulação e pode afetar populações com a saúde mais frágil. A vacinação é a forma mais eficaz de evitar que a infecção evolua para quadros que necessitam de hospitalização ou para a morte do paciente.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.