Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

MERS provoca duas novas mortes na Coreia do Sul

Até o momento, a doença provocou quatro mortes e infectou 41 pessoas no país

A Coreia do Sul anunciou nesta quinta-feira mais duas mortes provocadas pelo coronavirus MERS, além de cinco novos casos da doença no país, onde centenas de escolas permanecem fechadas. Até o momento, o MERS provocou quatro mortes e infectou 41 pessoas na Coreia do Sul, segundo a agência de imprensa sul-coreana Yonhap.

Mais de 900 escolas permaneceram fechadas no país, enquanto as autoridades tentam controlar o pânico provocado pelo coronavírus da Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS, sigla em inglês). O primeiro caso da doença na Coreia do Sul foi detectado no dia 20 de maio, e um total de 1.660 pessoas expostas – direta ou indiretamente – ao vírus estão atualmente em quarentena ou sob observação, explicou o ministério da Saúde.

A origem dos casos de MERS na Coreia do Sul foi um homem de 68 anos, diagnosticado há duas semanas, após seu retorno do Oriente Médio, onde esteve por cerca de dez dias na Arábia Saudita, foco da doença. Em Seul, a crescente preocupação entre os cidadãos tem se refletido em uma maior utilização de máscaras em ônibus e metrôs. As autoridades sul-coreanas são acusadas de reagir tardiamente para identificar casos potenciais após a descoberta do primeiro infectado.

Neste contexto, a Organização de Turismo da Coreia (KTO) informou nesta quinta-feira que cerca de 7.000 turistas, principalmente da China e Taiwan, cancelaram suas viagens para a Coreia do Sul. “Um cancelamento maciço dessa escala é muito incomum… e muitos turistas mencionaram o surto de MERS como a principal razão”, afirmou um porta-voz da KTO à AFP.

Tanto o coronavírus MERS quanto a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) causam uma infecção dos pulmões, febre, tosse e dificuldades respiratórias. Ao contrário do SARS, o coronavírus provoca falha renal e não tem qualquer tratamento preventivo.

Mais de 20 países foram afetados por este vírus, contra o qual não existe vacina ou tratamento. A maioria dos casos foram relatados na Arábia Saudita, onde mais de 400 pessoas morreram desde 2012.