Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Liderado por brasileiro, estudo traz boa notícia contra AVC e arritmia

Maior estudo do mundo na área conclui que anticoagulante reduz em quase 50% risco de derrame em pessoas com a doença cardíaca

Por Diego Alejandro
Atualizado em 4 dez 2023, 17h57 - Publicado em 1 dez 2023, 10h02

O anticoagulante apixabana emergiu como uma promissora intervenção na prevenção de acidentes vasculares cerebrais (AVCs) relacionados a um tipo de arritmia cardíaca (fibrilação atrial), segundo os resultados do estudo global ARTESiA, co-liderado pelo cardiologista brasileiro Renato Lopes.

Em um amplo escopo, que envolveu mais de 4 mil participantes de 16 países, a pesquisa revelou uma redução significativa no risco de AVC. O destaque reside na abordagem inovadora de se antecipar às repercussões dessa forma subclínica de arritmia cardíaca, imperceptível sem dispositivos cardíacos implantados como marca-passos.

A fibrilação atrial, sendo a arritmia mais prevalente, é responsável por uma significativa parcela de AVCs graves, afetando cerca de 2,5% da população global – aproximadamente 175 milhões de pessoas. “Nosso estudo demonstra de maneira contundente que o uso de anticoagulação oral, como a apixabana, em doentes com fibrilação atrial subclínica (e mesmo com episódios curtos), ou seja, sem sintomas, reduz o risco de AVCs, particularmente os fatais e incapacitantes”, explica Lopes, que também é professor de medicina no Duke University Medical Center, nos EUA.

Além disso, o especialista vislumbra um futuro promissor, em que tecnologias inovadoras, como dispositivos wearables e modernos monitores cardíacos implantados, poderão facilitar o diagnóstico precoce dessa condição, permitindo intervenções preventivas.

Mais pesquisas

No cenário cardiovascular global, o “Myocardial Ischemia and Transfusion (MINT)”, um outro estudo conduzido pelo Brazilian Clinical Research Institute (BCRI), fundado por Renato Lopes, também apresentado durante o congresso anual da American Heart Association, aborda uma questão crucial no tratamento de pacientes com infarto agudo do miocárdio (IAM) e anemia.

Com resultados publicados no New England Journal of Medicine, o estudo revela que a estratégia de “transfusão sanguínea liberal”, que visa manter concentração de hemoglobina acima de 10g por decilitro, está associada a uma redução significativa de 2,4% na mortalidade cardiovascular, em comparação com a estratégia restritiva.

O MINT, o maior ensaio clínico randomizado já realizado nesse contexto, avaliou mais de 3.500 pacientes em diversos países, proporcionando evidências robustas para orientar a decisão médica sobre a abordagem transfusional em pacientes com infarto e anemia. 

Com um impacto significativo na prática clínica diária, os resultados fornecem uma contribuição valiosa para melhorar as taxas de sobrevida e reduzir o risco de recorrência de ataque cardíaco, especialmente considerando que doenças cardiovasculares representam a principal causa de mortalidade global.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.