Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Gato ou cachorro? A resposta pode estar no seu DNA

Estudo indica que os genes determinam se uma pessoa está mais propensa a ter um animal de estimação e se vai preferir cachorro em vez de gato

Ter um animal de estimação é o sonho de muitas crianças – e de vários adultos também. As preferências mais comuns são cães e gatos, mas há quem opte por coelhos e hamsters, por exemplo. O que leva alguém a preferir um e não o outro? Ou mesmo ter todos eles? Embora muitos acreditem que a predileção esteja relacionada à convivência com uma determinada espécie durante a infância, novo estudo indica que a resposta pode estar no DNA. O trabalho, publicado na revista Scientific Reports, revelou que os genes de uma pessoa determinam tanto se ela está mais propensa a ter um bichinho de estimação como se ela vai preferir um cachorro em vez de qualquer outro animal.

“Ficamos surpresos ao ver que a composição genética do indivíduo parece ser uma influência significativa sobre ter ou não um cachorro. Os achados têm implicações importantes em vários campos diferentes relacionados à compreensão da interação entre homem e cão ao longo da história”, comentou Tove Fall, da Universidade de Uppsala, na Suécia, em notaA equipe ainda revelou que a inclinação pela espécie pode ser hereditária – ou seja, genes que passam de pai para filho.

Apesar das novas descobertas, os cientistas ainda não foram capazes de apontar quais genes desempenham esse papel. 

Genética x ambiente

Para chegar aos novos resultados, pesquisadores suecos e britânicos analisaram a composição genética de 35.035 pares de gêmeos idênticos e fraternos. A escolha de grupos de gêmeos é um método conhecido da ciência para desvendar as influências ambientais e genéticas na biologia e no comportamento dos indivíduos. Como gêmeos idênticos compartilham o mesmo genoma e os fraternos dividem, em média, apenas metade da variação genética, comparações entre as preferências de cada par de gêmeos podem revelar se a genética atua (ou não) sobre a opção ter um cachorro. 

Veja também

A análise mostrou que as taxas de concordância entre gêmeos idênticos é maior em comparação com gêmeos fraternos – o que confirma a ideia de que a genética realmente influencia na escolha. “Descobrimos que os fatores genéticos aditivos contribuíram em grande parte para a posse do cão, com herdabilidade estimada em 57% para mulheres e 51% para os homens”, explicou Patrik Magnusson, principal autor da pesquisa, em comunicado.

Durante a vida adulta dos participantes, os pesquisadores também avaliaram a interferência do ambiente compartilhado nas predileções dos gêmeos. O resultado demonstrou que a genética e o ambiente desempenham papeis iguais na preferência por cães.

Segundo a equipe, o próximo passo é tentar identificar quais variantes genéticas afetam os genes envolvidos nesta escolha e como eles se relacionam com traços de personalidade e fatores como alergia. 

Benefícios de ter um cão

Para quem gosta de cachorros, apenas tê-los como companhia já interfere nos níveis de felicidade. Estudos apontam que a presença de um cão dentro de casa pode trazer diversos benefícios para a saúde física e mental, como redução do stress, menos dor de cabeça, febre e resfriados, e pressão arterial e colesterol mais baixos. Outra pesquisa ainda apontou que crianças que convivem com cachorros durante o primeiro ano de vida estão menos propensas a desenvolverem asma.

Outros trabalhos indicam que ter um cão aumenta a prática de exercícios físicos já que ao levar o animal para passear, os donos também fazem caminhada. No caso dos idosos, a presença do cão associada às caminhadas pode deixar o corpo equivalente a alguém dez anos mais novo.