Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Exame reprova mais da metade dos novos médicos de SP

Prova do Conselho Regional de Medicina é obrigatória para quem deseja trabalhar no Estado, mas registro não depende da nota do aluno

Por Da Redação - 29 jan 2015, 13h50

Mais da metade dos recém-formados em medicina no Estado de São Paulo foi reprovada no exame do Conselho Regional de Medicina (Cremesp) de 2014, segundo resultados divulgados pelo órgão nesta quinta-feira. Dos 2.891 egressos de escolas médicas paulistas que fizeram a prova, 55% não conseguiu atingir o porcentual mínimo de acertos, de 60%.

Há três anos, a prova é obrigatória para quem pretende trabalhar como médico no Estado de São Paulo. O registro, no entanto, não depende da nota. O índice de reprovação de 2014 é levemente inferior ao do exame de 2013, quando 59% dos candidatos foram reprovados, mas ainda é considerado preocupante pelo conselho.

“É uma surpresa desagradável saber que os alunos saem da faculdade sem saber coisas básicas. E ao mesmo tempo nos dá uma sensação de impotência porque não podemos impedir que esse profissional incompetente exerça a profissão”, diz Bráulio Luna Filho, presidente do Cremesp. Ele se refere ao fato de que, pela legislação brasileira, para conseguir o registro do órgão, basta que o recém-formado participe do exame, independentemente do seu desempenho.

Para o conselho, a principal causa do desempenho ruim é a baixa qualidade da formação médica. “As escolas nem sempre têm corpo docente qualificado, hospital escola, laboratórios, biblioteca”, diz Renato Azevedo, diretor primeiro-secretário do Cremesp.

Publicidade

Leia também:

Pré-teste do Revalida é adiado por baixa adesão

Cremesp cassa 66 médicos em 4 anos; só 9 deixam trabalho

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade