Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Estudo encontra relação de bactérias do intestino e o câncer colorretal

Publicada na Nature Medicine, a nova descoberta envolveu pesquisadores do A.C. Camargo Center, em São Paulo, da USP e da Universidade de Trento, na Itália

Uma equipe de cientistas internacionais, incluindo brasileiros, descobriu que pacientes com câncer colorretal apresentam  micro-organismos diferentes no intestino. De acordo com a equipe, essa diferença está relacionada à quantidade aumentada de algumas bactérias intestinais. O estudo, publicado nesta segunda-feira na Nature Medicine, aponta que essas alterações começam antes do diagnóstico de câncer – sendo, portanto, uma possível causa para a doença. Os pesquisadores acreditam que esta nova descoberta vai facilitar o diagnóstico precoce e auxiliar no tratamento já que a neoplasia tem altos índices de cura quando identificada cedo.

“Essa informação também pode ajudar na prevenção, pois a quantidade de micro-organismos intestinais pode ser regulada através da dieta”, explicou Emmanuel Dias Neto, do Centro Internacional de Pesquisas (Cipe), no A. C. Camargo Cancer Center. O especialista ainda destacou que uma alimentação rica em gordura pode contribuir negativamente para o quadro, promovendo o aumento no número de bactérias prejudiciais.  

O câncer colorretal é o terceiro mais comum no mundo, incluindo no Brasil. Além disso, ele é o segundo tipo de tumor letal com maior incidência nas mulheres e o terceiro entre os homens. Felizmente, quando diagnosticado precocemente, a chance de cura chega a 95%.   

Veja também

O estudo

Para chegar a esta conclusão, a equipe internacional – formada por pesquisadores da Universidade de Trento, na Itália, em parceria com o A.C. Camargo Center e a Universidade de São Paulo (USP), no Brasil – analisaram o material genético de amostras extraídas das fezes de 969 pessoas de vários nacionalidades (Alemanha, França, Itália, China, Japão, Canadá e Estados Unidos). Para fins de comparação, as amostras foram coletadas de indivíduos com e sem câncer.

A análise mostrou a existência de 16 micro-organismos associados ao câncer colorretal. Para os pesquisadores, a presença aumentada dessas bactérias no intestino pode contribuir para o surgimento da doença. Essa relação pode ser explicada através da colina – um nutriente presente em alimentos de origem animal, como carne e ovos. Segundo os cientistas, essas bactérias transformam a colina em uma substância potencialmente perigosa que já foi anteriormente associada à doenças cardiovasculares. 

Apesar disso, ainda não foi possível determinar porque acontece o aumento na quantidade dessas bactérias. No entanto, de acordo com Neto, hábitos danosos, como álcool e cigarro, e a manutenção de uma dieta gordurosa são fatores de risco para o quadro. Portanto, é importante evitar o alcoolismo e o tabagismo, assim como evitar o consumo de carnes processadas e reduzir a ingestão de carnes vermelhas. Vale a pena também investir em alimentos rico em fibras e cereais integrais já que eles ajudam a reduzir o risco dessa neoplasia.