Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Estados e municípios prorrogam campanha de vacinação contra a gripe

Chegada do inverno e baixa adesão são motivos apontados para a continuação da imunização. Especialista comenta a importância da vacina

Por Simone Blanes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 31 Maio 2023, 13h21 - Publicado em 31 Maio 2023, 13h16

Nesta quarta-feira 31, termina a campanha nacional de vacinação contra a gripe, mas por conta da baixa adesão, muitos estados como São Paulo, Minas Gerais e Paraná vão prorrogar os prazos para que a população se imunize contra o vírus influenza. Segundo o último balanço do Ministério da Saúde, divulgado na segunda-feira 29, 34,7 milhões de injeções haviam sido aplicadas em um total de quase 80 milhões de doses distribuídas em todo o país.

“Para a efetiva proteção da população, no entanto, especialmente dos mais vulneráveis, é necessário que mais pessoas recebam o imunizante. A meta é vacinar 90% da população”, afirmou a pasta, em nota. No último dia 12, o Ministério ampliou a imunização para todas as pessoas com mais de 6 meses de idade. Com o encerramento da campanha, a orientação da pasta é que estados e municípios ampliem o calendário de ações locais enquanto durarem os estoques de vacinas.

O governo de São Paulo, por exemplo, anunciou a prorrogação da campanha de vacinação contra a gripe até 30 de junho. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, a cobertura vacinal no estado está baixa, em 32,9%, com 6,1 milhões de doses aplicadas. Por isso, a decisão de aumentar o prazo em mais 30 dias.

Mesmo geralmente causando apenas febre, espirros, nariz congestionado, cansaço e dores no corpo, a gripe pode evoluir para quadros mais graves – em especial entre crianças menores de 6 anos de idade, idosos, gestantes e pessoas com comorbidades – e levar até à morte. Apenas em 2023, a pasta registrou 86 óbitos no estado de São Paulo, decorrentes de casos graves causados pela infecção dos diversos tipos de vírus da Influenza e 1.257 hospitalizações até a quarta semana de maio.

“Muitos tem questionado se vale a pena vacinar contra a gripe no momento em que a Covid está aí e outros vírus estão circulando. Importante frisar que ambas as vacinas são importantes, tanto completar o esquema vacinal da Covid com o reforço da bivalente, quanto se proteger contra a gripe”, diz o infectologista Renato Kfouri, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) e presidente do Departamento de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). “São duas estratégias fundamentais que vão evitar milhares de hospitalizações e óbitos por essas doenças que, infelizmente, ainda ocorrem no Brasil”.

Continua após a publicidade

O governo de Minas Gerais também comunicou a extensão da vacinação contra o vírus Influenza até 31 de julho. A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) justificou a continuação da campanha pelo país estar no período sazonal de doenças respiratórias e por estar sobrando vacinas, já que a cobertura vacinal no estado está em 40%, longe da meta de 90%.

Entre os municípios, as prefeituras de Salvador e do Rio de Janeiro informaram que a campanha será prorrogada enquanto durarem os estoques de imunizantes, incluindo as vacinas bivalentes. Já a prefeitura de São Paulo declarou que a vacinação segue por tempo indeterminado na capital paulista. “A boa notícia é que quando for vacinar contra a Covid, é possível também tomar o imunizante contra a gripe, no mesmo dia”, reforça Kfouri. “É bom aproveitar esse momento, antes da chegada do inverno, para colocar em dia essas duas vacinas importantíssimas. Hoje, são duas doenças evitáveis e não há porque não se prevenir”, finaliza.

Confira o vídeo do infectologista Renato Kfouri, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) sobre a vacinação contra a gripe:

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.