Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Em uma semana, Butão vacina quase todos os adultos contra a Covid-19

Mesmo com regiões de difícil acesso, país conseguiu imunizar 99% da população com a primeira dose e mais de 92% com a segunda

Por Da Redação Atualizado em 3 ago 2021, 08h02 - Publicado em 2 ago 2021, 16h08

Um exemplo a seguir. Assim a Unicef (Fundo de Emergência Internacional das Nações Unidas para a Infância) tem tratado as vitórias do Butão – pequeno país localizado na Cordilheira do Himalaia, entre a China e a Índia – no enfrentamento da pandemia da Covid-19 e que, agora, está prestes a vacinar todos os adultos. Com 800 mil habitantes (número proporcional aos moradores de João Pessoa, capital da Paraíba), o Butão conseguiu imunizar mais de 90% das pessoas maiores de idade em uma semana, graças a um planejamento organizado nos 1.220 postos de vacinação e 3,5 mil agentes que participaram de uma força-tarefa para distribuir as 550 mil doses que receberam da Índia, no fim de março. Mesmo com suas áreas montanhosas de difícil acesso, o Butão já apresenta cobertura vacinal com a primeira dose de quase 99% da população adulta – cerca de 530 mil pessoas –  e, com a segunda, acima de 92% de seus habitantes.

A vacinação só não se completou em abril por conta da suspensão das exportações de vacinas da Índia, causada pela segunda onda que afetou o país. Assim, o Butão recorreu a outros canais e acabou recebendo mais vacinas de países ricos: 500 mil doses da vacina fabricada pela Moderna, dos Estados Unidos, e mais de 250 mil imunizantes Oxford-AstraZeneca de nações europeias.

Em 20 de julho, foi lançada a campanha de vacinação da segunda dose, com um procedimento misto: a maior parte das pessoas recebeu a vacina da AstraZeneca como primeira dose, e Moderna, na segunda. Por esse exemplo de sucesso do Butão, com poucos profissionais de saúde à disposição, a Unicef tem apelado às nações de todo o mundo para que doem suas vacinas aos países menos favorecidos. Segundo o Ministério da Saúde do Butão, o país registrou pouco mais de 2,5 mil infecções por SARS-CoV-2, vírus causador da Covid-19, e duas mortes. As autoridades dizem que o baixo índice de mortalidade se deve ao forte histórico de implementação de programas regulares de vacinação e a confiança que as pessoas têm no governo do país asiático.

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)