Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Dois morrem no Japão após receberem vacina de lotes danificados da Moderna

Aplicações foram efetuadas antes do pedido de suspensão de 1,63 milhão de vacinas fabricadas pela Moderna; governo estuda relação entre as mortes e os lotes

Por Felipe Mendes Atualizado em 28 ago 2021, 16h58 - Publicado em 28 ago 2021, 16h33

Dois dias após anunciar a suspensão da aplicação de 1,63 milhão de doses da vacina para Covid-19 fabricada pela Moderna, o Japão informou, neste sábado, 28, ao menos duas mortes dentre as pessoas que receberam lotes contaminados. Recentemente, a distribuidora dos imunizantes da Moderna no país, a farmacêutica Takeda, recebeu relatórios que indicavam contaminação de três lotes de vacinas, o que gerou uma resposta do governo local. Os dois óbitos confirmados correspondem a homens, ambos na faixa dos 30 anos de idade, que faleceram após receberem a segunda dose da vacina. As causas estão sendo investigadas.

Em nota conjunta divulgada neste sábado, Moderna e Takeda disseram que “no momento, não há nenhuma evidência de que essas mortes tenham sido causadas pela vacina” e pediram uma investigação minuciosa sobre o caso. “É importante conduzir uma investigação formal para determinar se há alguma conexão”. O governo japonês também afirmou que não foram identificados problemas de segurança ou eficácia e que a suspensão dos três lotes de Moderna foi uma medida preventiva. Antes da suspensão da aplicação, os imunizantes foram distribuídos para 863 centros de vacinação no país. 

A farmacêutica americana disse, em outra nota divulgada antes da confirmação das duas mortes, que investiga os relatórios que apontaram impurezas em três de seus lotes de imunizantes e que está trabalhando com parceiros e reguladores para chegar a uma resposta. A Moderna também levantou suspeitas de que a contaminação do lote, se comprovada, pode ter sido um problema em uma linha de produção na Espanha, onde a empresa Rovi é responsável por engarrafar as vacinas da Moderna que são distribuídas mundo afora — exceto para os Estados Unidos. 

No Japão, a hipótese mais veiculada é de que os contaminantes encontrados em alguns frascos sejam de partículas metálicas, segundo o que fontes do ministério da saúde relataram à emissora local NHK. O país asiático enfrenta uma escalada de casos por Covid-19 nos últimos meses.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês