Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Descoberta proteína envolvida com o vício em cocaína

Pesquisa pode levar ao desenvolvimento de novas técnicas para tratar o vício em cocaína e crack

O uso repetido de cocaína diminui a quantidade de uma proteína necessária para o funcionamento normal do cérebro humano. O efeito atinge diretamente o centro de recompensa do cérebro, o que pode explicar por que a droga vicia tanto. Esse é o resultado de uma pesquisa feita com ratos no Centro Médico Monte Sinai, em Nova York. Segundo os cientistas, suas descobertas podem levar ao desenvolvimento de novas técnicas para tratar o vício em cocaína e crack. O estudo foi publicado neste domingo na revista Nature Neuroscience.

Saiba mais

NÚCLEO ACCUMBENS

Vício e prazer estão intimamente ligados no cérebro, pois estimulam a mesma parte do órgão, o núcleo accumbens. A ciência descobriu sua importância na década de 50, quando ratos de laboratório preferiam apertar uma alavanca que estimulava o local a comer ou beber. Os neurônios dos núcleos accumbens ficam mais ativos tanto por causa de vícios químicos, como o relacionado à cocaína, quanto por vícios físicos, como a compulsão por sexo. Em 2007, uma pesquisa mostrou que a região é fundamental para o fenômeno conhecido como efeito placebo. Pois seus circuitos neurais respondem à expectativa de benefícios diante de um tratamento.

Até agora, os cientistas sabiam que o consumo da droga aumentava a atividade no núcleo accumbens, região cerebral ligada ao prazer e à recompensa. No entanto o mecanismo pelo qual isso acontecia permanecia incerto. A nova pesquisa mostrou que a exposição repetida à cocaína diminui a atividade da proteína Rac1, o que parece promover as respostas comportamentais ao uso da substância. Essa proteína é encontrada em ratos, macacos e humanos, e regula o crescimento celular dos nervos.

Os cientistas mostraram que a inativação dessa proteína aumenta a atividade e a densidade dos neurônios no núcleo accumbens, induzindo ao vício. Já a ativação excessiva da Rac1 bloqueia o efeito da exposição repetida à droga. “Nossas pesquisas dão novas informações sobre como a cocaína afeta o sistema de recompensa do cérebro e como isso pode ser reparado”, disse o neurocientista Eric Nestler, coordenador do estudo.

Os resultados ainda são iniciais, e os cientistas precisam fazer mais pesquisas antes que eles possam ser aplicados em humanos. No entanto, os pesquisadores estão esperançosos de que o estudo possa levar ao desenvolvimento de um novo tratamento para o vício em cocaína, que atue diretamente nessa proteína.