Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Depressão aumenta o risco de Parkinson

Uma pesquisa realizada na Suécia mostrou que pessoas diagnosticadas com depressão tem maior probabilidade de desenvolver Parkinson. O trabalho analisou 140.000 casos

Por Da Redação 21 Maio 2015, 17h08

Pesquisadores da Universidade Umeå, na Suécia, mostraram que pessoas com depressão correm um risco maior de desenvolver Parkinson, em comparação aos que não têm o distúrbio. O estudo foi publicado nesta quarta-feira no periódico científico Neurology.

O estudo, que começou em 2005, analisou 140.000 participantes com idade a partir de 50 anos, todos com depressão. Ao longo da pesquisa, cada um deles foi comparado com outras três pessoas da mesma idade e sexo, mas sem a doença.

Depressão e Parkinson – Os resultados mostraram que 1% das pessoas com depressão desenvolveram Parkinson, enquanto apenas 0,4% das pessoas sem a condição desenvolveram a doença. Embora os números pareçam baixos, os pesquisadores ressaltaram que o Parkinson não é uma doença comum na população.

Leia também:

Teste pode ajudar a detectar Parkinson antes de os sintomas aparecerem

Continua após a publicidade

Depressão, mesmo quando tratada, aumenta risco de AVC

O novo trabalho também sugere que pessoas com depressão desenvolvem Parkinson mais cedo do que aqueles sem a doença. Além disso, quanto mais severa a depressão, maior o risco. Por exemplo: as pessoas que foram hospitalizadas em função da depressão tinham um risco três vezes maior de serem diagnosticadas com Parkinson do que os doentes que não precisaram ser internados. E, quanto maior o número de hospitalizações por depressão, maior era o risco sofrer da doença.

Possíveis explicações – Os pesquisadores levantam algumas hipóteses para explicar a relação entre as duas doenças. De acordo com Peter Nordstrom, um dos autores da pesquisa, uma delas estaria associada à lesão causada ao cérebro pela depressão. Outra: a depressão pode ser um sintoma que precede a manifestação do Parkinson. A partir de agora, os estudiosos irão se aprofundar para decifrar a relação entre os dois dirtúrbios.

A doença – O Parkinson é resultado da perda de células cerebrais, sobretudo as que produzem dopamina. A condição afeta os movimentos do corpo causando tremores, rigidez muscular e diminuição do equilíbrio.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)