Clique e assine a partir de 9,90/mês

Coronavírus: ministro da Saúde recomenda uso de máscaras caseiras

Sugestão feita por Mandetta é para população em geral, que não trabalha no sistema de saúde nem apresenta sintomas; tecido TNT pode ser um aliado

Por Da Redação - Atualizado em 2 abr 2020, 15h38 - Publicado em 2 abr 2020, 13h40

O ministro Henrique Mandetta afirmou que o Ministério da Saúde deve publicar um protocolo para a orientações do desenvolvimento artesanal de máscaras faciais caseiras para a população em geral, que não trabalhe em sistemas de saúde nem apresente sintomas de Covid-19.

Durante a coletiva de imprensa da última quarta-feira 1º, Mandetta afirmou que qualquer pessoa pode fazer as máscaras em casa. “Funciona muito bem como barreira”, disse. A orientação é que o item seja lavado após o uso com água sanitária ou hipoclorito de sódio por vinte minutos, com uso individual e que cada pessoa tenha quatro ou cinco máscaras. “É lutar com as armas que a gente tem”, disse.

ASSINE VEJA

Coronavírus: a salvação pela ciência
Coronavírus: a salvação pela ciência Enquanto os melhores laboratórios do mundo entram em uma luta bilionária contra a doença, países trazem experiências bem-sucedidas para que a vida e a economia voltem à normalidade
Clique e Assine

De acordo com o ministro, será publicada uma orientação sobre quais tecidos são efetivos como barreira de proteção contra o coronavírus. No dia anterior, o ministro chegou a falar sobre o TNT como uma alternativa de tecido viável e segura.

Falta de equipamentos em hospitais

Na mesma coletiva, o ministro afirmou que o país enfrenta dificuldades para comprar equipamentos de proteção individual, como luvas, gorros e máscaras, para profissionais da saúde. Importados da China, os produtos sumiram do mercado após os Estados Unidos realizarem uma grande compra em massa, que precisou de 23 aviões cargueiros para ser transportada, ressaltou Mandetta.

Produção em presídios

Nesta quinta-feira, 2, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou que os presídios paulistas ampliarão para 50.000 unidades por dia a capacidade de fabricação de máscaras faciais. A produção total chegará a 4 milhões de unidades.

Continua após a publicidade
Publicidade