Clique e assine com até 92% de desconto

Coronavírus: devo me preocupar? VEJA responde as principais dúvidas

Áudio divulgado nas redes sociais gera pânico e questionamentos sobre a gravidade do coronavírus no Brasil. VEJA ouviu especialistas e esclarece dúvidas

Por Giulia Vidale Atualizado em 19 mar 2020, 19h31 - Publicado em 12 mar 2020, 17h10

Um áudio com informações sobre coronavírus disseminado nos dois últimos dias nas redes sociais tem gerado pânico. Na gravação, um médico de São Paulo relata detalhes de uma reunião realizada no Incor onde foram discutidas políticas de enfrentamento, disseminação e tratamento da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

Mas as questões que geraram preocupação são as que dizem respeito à existência de transmissão comunitária no Brasil, possibilidade de explosão de casos da doença nos próximos dias, falta de leitos de UTI , necessidade de uso de respirador mecânico em doentes e a alta taxa de mortalidade entre idosos. Soma-se a isso a declaração de pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS), queda de bolsas, países fechando fronteiras e o aumento exponencial no número de casos confirmados no Brasil e temos quase um apocalipse.

  • VEJA ouviu especialistas e esclarece abaixo os principais questionamentos sobre esse assunto.

    De fato, há transmissão comunitária no país? Sim. Na quinta-feira (19), o Ministério da Saúde confirmou transmissão comunitária do coronavírus em oito estados: Bahia, Distrito Federal, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo.

    Qual é a diferença entre transmissão local, comunitária e sustentada? Os casos importados são pessoas que foram diagnosticadas no Brasil, mas se infectaram em outro país. Na transmissão local, a fonte da infecção (pessoa que transmitiu) é conhecida. Já a transmissão comunitária ocorre quando há um aumento de casos e as autoridades de saúde não conseguem mapear a origem do vírus (pessoa que transmitiu). Esse é o pior cenário, pois indica maior disseminação do vírus no país e menor poder de controle.

    Os números da doença vão mesmo explodir? É possível. As autoridades de saúde trabalham com essa projeção porque foi o que aconteceu em outros países como China e Itália. Mas isso não significa que vai de fato acontecer. “Precisamos esperar para ver o comportamento do vírus por aqui, mas se a epidemia se comportar da mesma forma que em outros países com surto da doença, espera-se um grande aumento no número de casos nas próximas duas ou três semanas.”, explica a infectologista Mirian Dal Ben, do Hospital Sírio Libanês.

    Fechar as escolas é uma medida correta?  Sim. “Por mais que não seja uma medida simples, fechar as escolas é uma medida certa para diminuir a transmissão de qualquer doença respiratória. As crianças e adolescentes geralmente não apresentam sintomas, mas ainda podem transmitir a doença. Além disso, essa medida pode ter impactos secundários, como reduzir a quantidade de pessoas em trânsito nas cidades, o que também contribui para um controle maior da doença.”, diz Granato.

    Estou com sintomas de gripe, devo me preocupar?  No momento, o Brasil tem dez vezes mais casos de H1N1 do que coronavírus. “Portanto, quem está com sintomas de gripe nesse momento, a probabilidade maior é que seja por H1N1 e não de coronavírus”, afirma o infectologista Celso Granato, diretor clínico do Grupo Fleury.

    Como diferenciar uma gripe comum do coronavírus? Os sintomas das duas infecções são iguais. A única forma de saber se a infecção é causada por H1N1 ou coronavírus é por exame laboratorial. Como a incidência de H1N1 nesse momento é maior que a de coronavírus, o ideal é começar pelo de H1N1.

    Devo fazer teste específico para coronavírus? A recomendação é que só pessoas consideradas suspeitas façam o exame específico da doença. De acordo com o Ministério da Saúde, é considerado caso suspeito quem:
    – chegou do exterior e apresenta febre (acima de 37,8°)e pelo menos um sintoma respiratório nos últimos 14 dias;
    – esteve em uma área com transmissão local e tem febre e pelo menos um sintoma respiratório nos últimos 14 dias – vale lembrar que São Paulo e Bahia são estados com transmissão local confirmada;
    – teve contato próximo com caso suspeito ou confirmado para COVID-19, nos últimos 14 dias, e que apresente febre ou algum sintoma respiratório.

    “Quem não tem sintoma ou está com sintomas leve, parecido com um resfriado, não deve ir ao hospital nem fazer teste específico para coronavírus. Até porque, uma pessoa nessas condições pode ter um resultado inicial negativo, mas não significa que ela não poderá se contaminar e dar positivo em outro momento”. , recomenda o infectologista Celso Granato.

    Quais são os sintomas respiratórios associados ao coronavírus? Tosse, produção de escarro, congestão nasal, coriza e dificuldade para respirar são os sintomas mais comuns da doença.

    Tive contato com uma pessoa com coronavírus. O que devo fazer? O ideal é ficar isolado ou, no mínimo, evitar contato com outras pessoas – em especial idosos – por 15 dias. Se nesse período aparecerem sintomas como febre, dor de garganta, coriza e dor no corpo, use máscara e procure um hospital.

    Tem kit de diagnóstico para todos? O governo federal tem um estoque de 30 000 kits. As secretarias estaduais compram também seus próprios lotes. São Paulo, a maior delas, está com 20 000 kits. O uso por enquanto será limitado, portanto. Serão destinados só para pacientes internados, pesquisa e para a rede sentinela, que são as unidades de saúde que identificam, investigam e notificam doenças.

    A rede privada tem fôlego, mas a depender da procura, a coisa pode apertar.  A rede DASA, que reúne 40 laboratórios no país, por exemplo, fez entre 11 de fevereiro e o dia de ontem 1 550 testes. Só hoje foram agendados 500. Os testes não são feitos nos laboratórios. São feitos em domicílio ou nos hospitais. O Hospital Albert Einstein já fez 2.429 testes.

    Continua após a publicidade

    Em caso de faltarem testes, há uma alternativa: diagnostica-se o coronavírus por exclusão. Ou seja, as pessoas fazem teste para outros vírus, como o H1N1. Caso dê negativo, a possibilidade de coronavírus é alta. “Como para toda doença, o recurso é finito. Não tem teste para todo mundo e nem precisa ter. O teste só deve ser feito em caso de indicação e necessidade”, reforça Granato.

    Vai faltar leito de UTI? Apenas os casos mais graves, que são minoria, precisam de UTI. Só haverá falta de leitos se nenhuma medida para reduzir a velocidade de transmissão do vírus for adotada e muitas pessoas ficarem doentes ao mesmo tempo – que é o que está acontecendo na Itália.

    Interferon cura o coronavírus? Ainda não existe tratamento para o coronavírus. O uso de Interferon, remédio usado contra hepatite C e outras doenças, já foi relatado em alguns casos de pacientes gravíssimos em outros países. No entanto,  isso não o qualifica como um medicamento eficaz contra a doença. “O Interferon mexe na imunidade da pessoa e não é, em hipótese nenhuma, um remédio para ser usado por conta própria. Aliás, a automedicação não deve ser feita em nenhum caso”, reforça Granato.

    Quais são os medicamentos mais usados hoje para combater a doença? Dá para comprar em qualquer farmácia? Ainda não existe tratamento específico para coronavírus. O tratamento depende dos sintomas e da gravidade do quadro. Quadros leves podem ser tratados em casa com repouso, consumo de bastante água. Antitérmicos e analgésicos podem ser usados em casos de dor e febre.

    “Não recomendamos anti-inflamatório por causa dos efeitos colaterais. Antigripais também não são indicados porque podem mascarar o aparecimento de sintomas relevantes. Se a febre aumentar, o quadro piorar repentinamente ou houver dificuldade para respirar, é hora de ir ao hospital”, diz Granato.

    Quem deve ir ao hospital? Só deve ir ao hospital quem estiver se sentindo muito mal ou apresentar sintomas como febre alta e dificuldade para respirar. Se for só um resfriado ou gripe leve, a recomendação é ficar em casa. “Ir ao hospital sem necessidade pode tanto sobrecarregar o sistema quanto coloca a pessoa em maior risco de contrair uma infecção”, explica o infectologista.

    Todo paciente com coronavírus precisa de respirador? Não. O respirador e outras medidas de suporte são indicadas apenas para os casos graves, que são a minoria. “O respirador vai ser usado quando a pessoa não conseguir respirar com o próprio pulmão e isso é exceção”, afirma Granato.

    Já existe uma vacina para coronavírus desenvolvida em Cuba? Ainda não existe vacina para coronavírus. “Acredito que até o final do ano teremos uma vacina pronta para uso. Mas, no momento, essa opção não existe”, afirma Granato.

    Existe algum modo de prevenir a doença? As únicas formas de prevenir a doença são: evitar aglomerações, lavar as mãos, usar álcool gel, evitar tocar o rosto e praticar a etiqueta respiratória. “Nesse momento, quem puder fazer home office e reunião por via eletrônica, deve fazer. Evitem shows, baladas, bares e lugares que tenham mais de 30 pessoas no mesmo ambiente. Em restaurantes, o ideal seria ter mesas afastadas umas das outras”, recomenda o infectologista.,

    Qual é o jeito certo de lavar as mãos? Uma boa lavagem de mãos leva pelo menos 20 segundos – tempo suficiente para cantar “Parabéns a você”. Lave as duas faces da mão, entre os dedos, fazer uma conchinha para lavar embaixo da unha e depois escoar com água. Evite usar as mãos limpas para fechar a torneira. Se necessário, use uma toalha de papel. A recomendação é lavar as mãos a cada duas horas ou sempre que chegar da rua.

    O que é etiqueta respiratória? É ter cuidado ao tossir e espirrar. Use um lenço de papel sempre que for tossir ou espirrar e, sem seguida, descarte-o. Na ausência do lenço, espirre sobre o antebraço, em vez de usar as mãos para proteger o rosto. “Com isso você evita a dispersão dessas gotículas pelo ar.”, explica Granato.

    Quem deve usar máscara? Apenas pessoas doentes devem usar máscara, pois ela impede que ele espalhe gotículas contaminadas com vírus ao falar, espirrar ou tossir.

    Qual é o tipo de máscara ideal? A máscara ideal precisa cobrir completamente o nariz e a boca. Também é importante trocar a máscara a cada duas horas. “O ar que respiramos é úmido e isso molha a máscara. Se ela ficar muito úmida, perde sua eficácia de proteção”, explica o infectologista.

    Por que quem não tem a doença não precisa usar máscara? O simples fato de usar máscara não protege a pessoa e ainda pode dar uma falsa sensação de segurança. “A contaminação não acontece só pelo nariz e pela boca. É possível se contaminar pela mão, pelos olhos e até pela roupa. Se você conversar por muito tempo e muito próximo a pessoas doentes, por exemplo, gotículas expelidas por essa pessoa podem ficar na sua roupa e ao toca-la, você pode se contaminar”, esclarece o Celso Granato.

    O coronavírus pode matar? Sim, mas a taxa de letalidade é baixa. Varia de 2,3% a 4%. O óbito é mais comum em pessoas idosas – em especial acima de 80 anos – e pessoas.

    Por que idosos e pessoas com doenças cardiovasculares e diabetes são grupo de risco? Essas pessoas já têm o sistema imunológico naturalmente comprometido e seu corpo tem mais dificuldade para reagir à sobrecarga causada pela infecção.

    Continua após a publicidade
    Publicidade