Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Como as crianças estão aderindo às máscaras

Em fase favorável à assimilação de novos hábitos, os pequenos dão uma aula aos adultos de como viver bem com o nariz e a boca cobertos com um pedaço de pano

Por Thaís Gesteira
Atualizado em 4 jun 2024, 15h27 - Publicado em 4 set 2020, 06h00

Nos primeiros instantes, a criança briga com aquele pedaço de pano invasor que cobre a boca e o nariz. Mas logo a estranheza passa e ela se afeiçoa à máscara de modo tão tranquilo que age como se nunca tivesse vivido sem ela. Bem-vindo ao admirável mundo da adaptabilidade infantil, especialmente valioso nestes tempos de pandemia. Em muitos lares brasileiros, repete-se o roteiro que transcorre quase que diariamente sob o teto da família de Lenice Souza, mãe de Geovana, de apenas 4. “Quando vamos sair, é ela quem lembra: ‘Ei, gente, cadê a máscara?’.” Também é a garotada que, não raro, alerta os adultos de que o acessório está mal alojado na face. Esbanjando fofura e peripécias, Bernardo Feck, um mini-influenciador digital com 450 000 seguidores no Instagram, afirma, maduro para seus 4 anos de existência: “Não tem jeito. É para se proteger do bichinho que está lá fora”.

A chave para compreender a facilidade de assimilar esse tipo de hábito na primeira década de vida reside nos mecanismos do cérebro. É justamente nessa fase que se observa ali uma maior plasticidade — o que tem a ver com a capacidade de o sistema nervoso sofrer modificações e amoldar-se a distintas realidades com agilidade invejável. Afinal, padrões de comportamento ainda não estão de todo cristalizados. “A criança não tem memória anterior suficiente para ter clareza de que o uso da máscara, por exemplo, não fazia parte do dia a dia dela”, explica a neuropediatra Liubiana de Araújo, presidente do Departamento de Desenvolvimento e Crescimento da Sociedade Brasileira de Pediatria. Ela e colegas que vivem de desbravar a mente humana lembram que papais no afã de proteger seus rebentos têm um papel central: como os filhos são esponjas a absorver tudo a sua volta, o uso sem hesitação do acessório da vez é um exemplo salutar.

Embora a Organização Mundial da Saúde não obrigue a adoção da máscara em menores de 6 anos e deixe a escolha para os pais até os 12, as sociedades brasileira e americana de pediatria recomendam seu uso como parte da indumentária infantil a partir dos 2 (antes disso, o risco de sufocamento não compensa o potencial benefício). Pesquisas recentes vêm enfatizando a necessidade de cobrir o rosto das crianças, uma vez que, já está provado, elas são transmissoras do novo coronavírus. “Como costumam apresentar pouco ou nenhum sintoma, elas passam a doença adiante sem que tenhamos a chance de freá-la”, alerta Marcelo Otsuka, vice-presidente do Departamento de Infectologia da Sociedade de Pediatria de São Paulo. A prevenção se dá pelo uso adequado da máscara, que deve ter o tamanho certo — de modo a evitar aquelas sobras laterais por onde o vírus sorrateiramente pode se infiltrar — e ser trocada tão logo se revele úmida, o que é muito comum entre a turma mais jovem.

Sem data ainda para o retorno presencial às aulas, as escolas estão imersas em efervescente debate sobre como assimilar o acessório em sua rotina. Todas vão adotá-lo em algum grau — a questão é definir como. A Escola Eleva, no Rio de Janeiro e em Brasília, vai exigir dos menores que tampem o rosto na entrada, na saída e ao circular nos corredores. Durante a aula, a classe será dividida em grupos que farão as atividades entre si, longe dos demais — forma de controle empregada com sucesso na Ásia e na Europa. “Embora o bem-estar das pessoas seja prioridade, a escola não é um centro cirúrgico, mas um espaço de socialização. Daí buscarmos um caminho para equilibrar as coisas”, pondera o diretor Amaral Cunha. Para abrandar o peso que naturalmente recai sobre esse pedaço obrigatório de tecido, ele pode ser colorido e enfeitado para cativar a turma que recebe logo cedo uma lição de realidade. “Minha filha brinca de combinar máscaras e roupas”, conta a analista de recursos humanos Amanda Vieira, mãe de Maria Beatriz, 4 anos. É um toque de leveza no mundo de pernas para o ar.

Publicado em VEJA de 9 de setembro de 2020, edição nº 2703

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.