Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Cientistas descobrem provável causa de hepatite misteriosa em crianças

A falta de exposição a dois vírus comuns durante a pandemia da Covid-19 pode ter aumentado as chances de ficarem gravemente doentes

Por Simone Blanes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
26 jul 2022, 15h22

Cientistas no Reino Unido identificaram a provável causa do recente surto de doença hepática misteriosa que aflige crianças pequenas em todo o mundo. Segundo novas pesquisas, a falta de exposição a dois vírus comuns durante a pandemia da Covid-19 pode ter aumentado as chances de crianças ficarem gravemente doentes com hepatite aguda.

Nesses estudos, duas equipes de pesquisa da University College London e da Universidade de Glasgow disseram que as restrições de bloqueio podem ter levado alguns bebês a perder a imunidade precoce ao adenovírus e ao vírus adeno-associado 2 (AAV2) recém-vinculado. Ambos os grupos também disseram que não encontraram evidências de uma ligação direta entre o aumento nos casos de hepatite e a infecção por SARS-CoV-2.

Mais de 1.000 crianças em 35 países desenvolveram um tipo não identificado de hepatite aguda grave – ou inflamação do fígado – desde que o primeiro caso foi relatado em janeiro deste ano. A maioria ocorreu em crianças de cinco anos ou menos, embora os diagnósticos tenham sido detectados em jovens de até 16 anos.

Acreditava-se anteriormente que o adenovírus, que normalmente causa resfriado leve ou doença semelhante à gripe, fosse parcialmente responsável pelo surto misterioso, pois era o vírus mais comumente encontrado em amostras de crianças afetadas. No entanto, a nova pesquisa indicou que o vírus adeno-associado 2, que normalmente não causa doença e não pode se replicar sem um vírus “auxiliar”, como adenovírus ou herpesvírus, estava presente em 96% dos casos de hepatite desconhecida examinados em ambos os estudos.

Continua após a publicidade

Um mistério resolvido?

Os pesquisadores dizem que a coinfecção com os dois vírus – AAV2 e um adenovírus, ou menos comumente o herpesvírus HHV6 – poderia oferecer uma melhor explicação para o recente surto. “Embora ainda tenhamos algumas perguntas não respondidas sobre exatamente o que levou a esse aumento na hepatite aguda, esperamos que esses resultados possam tranquilizar os pais preocupados com o Covid-19, pois nenhuma das equipes encontrou qualquer ligação direta com a infecção por SARS-CoV-2”, disse a professora Judith Breuer, do Institute of Child Health, no relatório.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.