Clique e assine a partir de 9,90/mês

Cientistas descobrem nova causa para o Parkinson

Mutação no gene que auxilia na resistência das células ao stress biológico está relacionada com a doença

Por Da Redação - 14 set 2011, 19h07

“A descoberta pode nos ajudar a desenvolver novas terapias para tratar ou desacelerar a Doença de Parkinson” – Owen Ross, coautor do estudo e neurocientista da clínica Mayo

Uma nova causa genética da Doença de Parkinson, identificada por um extenso grupo de pesquisadores de vários países, está relacionada à inabilidade das células do cérebro de lidarem com o stress biológico. O estudo, conduzido pela Clínica Mayo, na Flórida, foi publicado na edição de setembro do American Journal of Human Genetic, periódico da The American Society of Human Genetic, dos Estados Unidos, e contribui para entender a doença como um complexo distúrbio influenciado por vários genes.

Os pesquisadores iniciaram o estudo ao analisarem uma família numerosa do norte da França com histórico da doença de Parkinson. Os cientistas descobriram que havia uma mutação no gene EIF4G1 nos integrantes da família e identificaram uma relação direta entre essa mutação e a morte cerebral que resulta na doença de Parkinson e em outros distúrbios neurodegenerativos.

“Esse gene é diferente dos outros descobertos que causam a doença de Parkinson na medida em que controla os níveis de proteínas que ajudam as células do cérebro a lidarem com diversas formas de stress comuns com a idade”, explica Justus Daechsel, neurocientista da Clínica Mayo e um dos coordenadores da pesquisa. Portanto, as células que não conseguirem reagir adequadamente ao stress biológico morrem. Foi esse o problema encontrado na família francesa e, posteriormente, em famílias de outros lugares, como dos Estados Unidos, Canadá, Irlanda e Itália.

Continua após a publicidade

Apesar de poucas famílias terem sido identificadas com essa forma da doença, os cientistas acreditam que essa descoberta abrirá uma nova área de pesquisa sobre o Parkinson e também sobre outras doenças neurodegenerativas. “Os conhecimentos adquiridos a partir de como as mutações no EIF4G1 levam à morte cerebral podem nos ajudar a desenvolver novas terapias para tratar ou desacelerar a doença de Parkinson”, explica o coautor do estudo e neurocientista da Mayo, Owen Ross. “Essas últimas descobertas contribuem com mais uma peça para o complexo quebra-cabeça é essa doença.”

Publicidade