Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Casa Branca anuncia compra de mais medicamentos para combater a ômicron

Nova variante do coronavírus responde por cerca de três quartos de todos os novos casos nos Estados Unidos

Por Simone Blanes 23 dez 2021, 12h56

Um dia depois do presidente Joe Biden anunciar uma nova estratégia para combater o aumento de casos de coronavírus, potencializados pela variante ômicron, a Casa Branca declarou que vai aumentar as compras de medicamentos contra a Covid-19. “Deixe-me reiterar o que disse o presidente: não é março de 2020”, disse Jeffrey D. Zients, coordenador de resposta ao coronavírus da Casa Branca, referindo-se ao início da pandemia. “Temos mais ferramentas do que nunca para proteger as pessoas: vacinações, reforços, testes e tratamentos. ”

Zients afirmou que o governo dobraria seu suprimento de sotrovimab, tratamento com anticorpo monoclonal feito pela GlaxoSmithKline e Vir Biotechnology para os casos de ômicron. Mas o medicamento, que visa prevenir que pacientes de alto risco desenvolvam doenças graves, tem fornecimento muito limitado.

Médicos de hospitais em Houston, Chicago, Washington e Nova Yotk disseram que pararam de prescrever os anticorpos monoclonais produzidos pela Eli Lilly e Regeneron porque não eram eficazes contra a nova cepa do coronavírus.

Marcus Plescia, diretor médico da Associação de Oficiais de Saúde Territoriais e Estaduais, disse que havia preocupação em todo o país sobre a rapidez com que o avanço da ômicron esgotou as ferramentas usadas para combater o coronavírus. “Pessoas mais ricas e mais conectadas vão tirar proveito dessa oferta limitada. Pessoas de baixa renda não vão ter acesso. Disparidades serão ainda mais pronunciadas”, afirmou o especialista.

A Casa Branca afirmou, porém, que está “se preparando para comprar mais remédios nos próximos três meses”, incluindo meio milhão de doses de um fármaco da AstraZeneca, recém-liberado pela Food and Drug Administration (FDA) e que pode funcionar contra a nova variante. “Esse é autorizado para a prevenção de Covid-19 em americanos com sistema imunológico enfraquecido que não foram adequadamente protegidos por vacinas”, disse Zients.

Na quarta-feira, a FDA também autorizou o uso emergencial do Paxlovid, pílulas antivirais da Pfizer, destinadas às pessoas com alto risco de desenvolvimento de doença grave. O produto similar da Merck – MSD no Brasil –, conhecido como molnupiravir, também deve ser liberado em breve.

Atualmente, a ômicron responde por cerca de três quartos de todos os novos casos nos Estados Unidos. Muitos deles em pessoas vacinadas, que tendem a apresentar sintomas leves. “Se está se perguntando como se manter saudável e proteger seus entes queridos neste inverno, por favor, vacine-se e receba reforços. Use uma máscara em ambientes internos públicos e faça um teste de Covid-19 antes de se reunir com outras pessoas ”, disse Rochelle P. Walensky, diretora dos Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)