Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Carta ao Leitor: Bem perto do fim

As lições da Covid-19 não podem jamais ser postas de lado — e a principal delas é que só o conhecimento salva

Por Da Redação Atualizado em 4 jun 2024, 12h04 - Publicado em 23 set 2022, 06h00

O mundo como o conhecíamos até março de 2020, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou a pandemia do novo coronavírus, já não existe mais. De lá para cá, ao longo de dois anos e meio, ocorreram 6,5 milhões de mortes — 685 500 apenas no Brasil. É, por larga margem, a mais dolorosa tragédia de nosso tempo, afeita a deixar marcas indeléveis e mudanças abissais de comportamento no cotidiano das relações pessoais e profissionais, com ecos profundos na economia. No auge do surto, avós e avôs tiveram de se afastar dos netos. As escolas fecharam. Empresas faliram e empregos foram dizimados. O home office, com o amparo nas tecnologias de vídeo, virou a norma. O planeta, de fato, se transformou para sempre.

A emoldurar essa revolução paira, ainda, mas talvez agora de modo difuso, uma sensação que sempre acompanhou o ser humano — o medo. O temor de que o ritmo de contaminações volte a se acelerar, de que os hospitais sejam forçados a reservar UTIs exclusivamente para a Covid-19, o receio, enfim, de uma marcha a ré. As recentes informações, contudo, permitem finalmente um respiro de alívio. A pandemia está, sim, perto de acabar. A taxa de transmissão do vírus no Brasil, em maio, a última vez que foi medida, era de 0,70, o que significa que cada 100 infectados transmitiam o vírus para setenta pessoas, dentro de um patamar de controle aceitável do ponto de vista epidemiológico. Em abril de 2020, chegou a absurdos 2,8. O número de mortes diárias está na casa de 42 — a título de comparação, em abril de 2021 o mesmo dado atingia o pico de 3 000. Evidentemente, uma única morte precisa ser lamentada, mas a estatística nos transporta a um ponto de tranquilidade, embora de permanente atenção e zelo, como deve ser com os problemas de saúde pública. Na semana passada, como corolário do que indicam as inflexões das curvas de transmissão e mortes, o cauteloso diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que o planeta nunca esteve em “melhor posição para acabar com a pandemia”.

Chegamos aqui por força da ciência e do extraordinário avanço da aplicação de vacinas — na contramão do descaso de algumas autoridades que desdenharam da doença e do desenvolvimento científico, em tosco negacionismo, enfim derrotado. Não podemos esconder o luto, mas convém também não esquecer da rapidez com que foram desenvolvidos os imunizantes que salvaram milhões de vidas. Baseada nesse imenso esforço, a pandemia muito em breve será uma página virada da história, com o sorriso de volta a rostos antes cobertos por máscaras, como se viu recentemente nos espetáculos do Rock in Rio. As lições da Covid-19, insista-se, não podem jamais ser postas de lado — e a principal delas é que só o conhecimento salva.

Publicado em VEJA de 28 de setembro de 2022, edição nº 2808

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.