Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Butantan negocia parceria para desenvolvimento de vacina contra monkeypox

Instituto iniciou tratativas com o National Institute of Health (NIH), dos Estados Unidos, para a realização de estudos sobre vírus da varíola dos macacos

Por Paula Felix Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 2 nov 2022, 14h48 - Publicado em 2 nov 2022, 14h21

O Instituto Butantan anunciou que iniciou negociações com National Institute of Health (NIH), dos Estados Unidos, para a realização de estudos e transferência de tecnologia para que a instituição possa produzir vacinas contra a monkeypox, mais conhecida como varíola dos macacos. O objetivo é impedir o aumento de casos e óbitos no Brasil, que contabiliza 9,2 mil episódios e oito mortes.

“Estamos apenas aguardando a formalização da parceria com o NIH, para o Butantan começar a criar expertise para uma possível produção da vacina”, informou o gerente de Inovação do Instituto Butantan, Cristiano Gonçalves Pereira, em nota divulgada nesta terça-feira, 1º.

O NIH é parte do Departamento de Saúde e Serviços Humanos norte-americano e tem aval para fornecer componentes para que o instituto trabalhe no desenvolvimento de bancos de células e vírus, assim como processos para a produção do imunizante. O Butantan, atualmente, produz oito vacinas utilizadas no Brasil: CoronaVac, Influenza trivalente, hepatite A, hepatite B, raiva e contra difteria, tétano e coqueluche (DT, DTP, DTPa).

No início de outubro, o Brasil recebeu a primeira remessa com 9,8 mil doses da vacina contra a varíola dos macacos, que será utilizada em estudos para avaliar a efetividade do imunizante na população brasileira exposta à doença.

O ministério adquiriu 50 mil doses da vacina contra a doença por meio de tratativas com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a previsão era de que a primeira remessa chegasse ao país em setembro. A pasta informou que as demais doses devem chegar até o fim deste ano. Em agosto, foi lançada a Campanha Nacional de Prevenção à Monkeypox.

Continua após a publicidade

Em julho, a zoonose viral foi considerada uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional (PHEIC, na sigla em inglês) pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e, até o momento, contabiliza 77,4 mil casos no mundo, segundo a plataforma Our World in Data, ligada à Universidade de Oxford.

Varíola dos macacos

Descoberta em 1958, a monkeypox (varíola dos macacos) recebeu esse nome por ter sido observada pela primeira vez em primatas utilizados em pesquisa. Ela circula principalmente entre roedores, e humanos podem se infectar com o consumo da carne, contato com animais mortos ou ferimentos causados por eles.

Entre os sintomas, estão: febre, dor de cabeça, dores musculares, dores nas costas, linfonodos inchados, calafrios e exaustão. A erupção cutânea começa geralmente no rosto e, depois, se espalha para outras partes do corpo, principalmente as mãos e os pés. Antes do surto, a doença era considerada endêmica em países da África central e ocidental, como República Democrática do Congo e Nigéria.

Análises preliminares sobre os primeiros casos do surto na Europa e na América do Norte demonstraram que o vírus foi detectado por serviços de cuidados primários ou de saúde sexual e os principais pacientes eram homens que fazem sexo com homens. No entanto, a OMS já alertou para o fato de que essa não é uma doença que afeta grupos específicos e que qualquer pessoa pode contraí-la se tiver contato próximo com alguém infectado.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.