Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Brasil supera a marca de 25 milhões de doses contra Covid-19 aplicadas

No mesmo período, cerca de 2,5 meses após o início da vacinação, os Estados Unidos tinham um número três vezes maior

Por Giulia Vidale Atualizado em 6 abr 2021, 19h11 - Publicado em 5 abr 2021, 18h28

O Brasil já tem mais de 25 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 administradas. O país ultrapassou a marca nas últimas 24 horas e até agora aplicou 25.293.644 injeções contra a doença. O número equivale a 19.762.485 de pessoas que receberam a primeira dose em todo o território nacional e as 5.531.159 restantes, à administração da segunda dose.

Isso significa que 9,4% dos brasileiros já receberam ao menos uma dose da vacina contra a Covid-19. Ao considerar aqueles totalmente imunizados, a taxa cai para 2,6%.

São Paulo continua na liderança do ranking dos estados com o maior número de injeções administradas: 6.646.984. Em seguida está Minas Gerais (2.297.840) e Bahia (2.060.848). No pé da lista estão Roraima (62.424 doses aplicadas), Acre (71.609) e Amapá (72.817).

Em números proporcionais, SP cai para a quinta posição, com 10,7% da população imunizada. A liderança dessa classificação é do Mato Grosso do Sul (12,5%), seguido da Bahia (11,6%) e Rio Grande do Sul (11,1%). Em último lugar estão Rondônia (6,2%), Maranhão (6,1%) e Mato Grosso (5,7%).

LEIA TAMBÉM: A eficácia e segurança das vacinas contra Covid-19 em crianças e gestantes

No mesmo período, 78 dias após o início da campanha de imunização, os Estados Unidos tinham 78,6 milhões de doses administradas, segundo dados da plataforma Our World in Data, ligado à Universidade Oxford.  Um número três vezes maior que o brasileiro. O grande empecilho para a vacinação contra a Covid-19 deslanchar de vez no Brasil é a escassez de vacinas.

Continua após a publicidade

O governo federal fechou acordos para a compra de vacinas com sete fornecedores diferentes: Instituto Butantan, Fiocruz, Covax Facility, Pfizer, Janssen, Precisa Medicamentos e União Química. Mas apenas dois imunizantes estão em uso no país atualmente: a CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan, e a Covishield, nome oficial da vacina de Oxford-AstraZeneca, que por aqui é produzida pela Fiocruz.

Os acordos com a Pfizer e Janssen foram oficializados apenas recentemente e a maior parte das entregas ficou para o segundo semestre. A Covaxin, vacina desenvolvida pela indiana Bharat Biotech, distribuída no Brasil pela Precisa Medicamentos, e a vacina russa Sputnik V, de responsabilidade da União Química, ainda não estão autorizadas no Brasil. Para piorar, houve atraso na entrega das doses da Fiocruz.

O cenário de entregas deve ser menos nebuloso apenas no segundo semestre quando a Fiocruz começará a produzir doses 100% em solo nacional da vacina de Oxford e quando haverá o envio de 38 milhões de doses do imunizante da Janssen — que permite a imunização em uma única etapa e a entrega da maior parte de vacinas da Pfizer (86 milhões de doses).

Confira abaixo os números da vacinação no Brasil:

Continua após a publicidade
Publicidade