Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Aplicativos que medem a pressão ameaçam a saúde, diz pesquisa

Programas de smartphones para medir a pressão sanguínea são imprecisos e, em 98% dos casos, não foram desenvolvido por instituições especializadas

Por Da Redação 26 dez 2014, 17h53

Aplicativos para smartphones que medem a pressão sanguínea podem ser prejudiciais para o controle da hipertensão, mostrou um estudo publicado neste mês no periódico da Sociedade Americana de Hipertensão. De acordo com os autores, muitos desses programas não foram testados cientificamente e podem dar resultados errados, imprecisos e, por isso, potencialmente perigosos.

Os pesquisadores analisaram 107 aplicativos famosos para o controle hipertensão disponíveis para download no Google Play e na Apple iTunes e constataram que três quartos ofereciam ferramentas úteis para acompanhamento de dados médicos. No entanto, somente 2,8% foram desenvolvidos com a ajuda de instituições de saúde, como universidades. Além disso, os pesquisadores encontraram sete aplicativos para o sistema Android que instruíam os usuários a pressionar o dedo na tela ou na câmera do celular para medir a pressão sanguínea, mecanismo que os cientistas consideram enganoso.

Leia também:

Hipertensão afeta um em cada cinco brasileiros, diz IBGE

Açúcar, mais que o sal, é o vilão da pressão alta, dizem médicos americanos

Continua após a publicidade

Os aplicativos desse tipo haviam sido baixados pelo menos 900 000 vezes. Alguns chegaram a 2,4 milhões de downloads. “Essa tecnologia ainda está em fase de pesquisa, não está pronta para uso clínico”, disse Nilay Kumar, da escola de medicina de Harvard e principal autor do estudo.

Benefícios – Por outro lado, de acordo com os estudiosos, esses aplicativos podem ajudar a pessoa a armazenar seu histórico de saúde. A maior parte (72%) dos mais populares permitia aos usuários acompanhar seus dados médicos e cerca de um quarto oferecia a opção de exportar as informações diretamente do consultório médico.

Após os autores concluírem o estudo, eles ressaltam a necessidade de uma regulamentação urgente para esse tipo de serviço.

(com Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)