Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ao contrário do que se imaginava, cirurgia de remoção do pâncreas não provoca diabetes incontrolável

Segundo estudo americano, pacientes que precisam ter o órgão totalmente retirado não têm dificuldades para controlar o açúcar no sangue

Como o pâncreas é o órgão responsável por produzir insulina, hormônio que reduz as taxas de glicose no sangue, muitos médicos acreditam que retirar completamente o órgão de pacientes com câncer ou cistos pré-cancerosos na região pode desencadear um caso de diabetes incontrolável. No entanto, uma pesquisa da Clínica Mayo, nos Estados Unidos, concluiu que essa concepção pode estar equivocada e que as terapias de reposição de insulina são suficientemente eficazes para controlar a doença.

Opinião do especialista

Paulo Rosenbaum

Endocrinologista do Hospital Israelita Albert Einstein

“Esse é um estudo pequeno que determina que o controle do diabetes entre pacientes que tiveram o pâncreas removido foi semelhante ao de pacientes com o órgão. A pesquisa revela que os tratamentos para o diabetes tipo 1 evoluíram muito, mas não mostra algo revolucionário.

Seus resultados podem mudar o comportamento de cirurgiões mais conservadores, que optam por deixar um pedaço do pâncreas em pacientes com câncer – o que pode aumentar o risco de a doença voltar.

O pâncreas produz, além de insulina, algumas das enzimas essenciais para a digestão. Por isso, essas enzimas devem ser repostas em pacientes que tiveram o órgão removido. Essas pessoas não vivem normalmente, mas conseguem controlar as doenças que surgem com a remoção do pâncreas.”

O estudo, publicado neste mês no periódico HPB Surgery, acompanhou durante vários anos 14 pacientes que tiveram o pâncreas inteiro removido. Depois, os autores compararam os resultados de exames de saúde desses pacientes aos de 100 pessoas que tinham diabetes tipo 1 e que precisavam fazer reposição de insulina. A equipe concluiu que os dois grupos apresentaram pouca dificuldade em controlar os níveis de açúcar na corrente sanguínea e não relataram complicações de saúde em decorrência da falta de produção do hormônio.

“O que tem confundido por muito tempo a cirurgia de retirada do pâncreas em casos de câncer ou cistos pré-cancerosos é a noção de que, se o órgão for removido completamente, o paciente teria uma imensa dificuldade em controlar o diabetes resultante do procedimento. Por esse motivo, muitos profissionais tentam ao máximo evitar a retirada do órgão”, diz Michael Wallace, coordenador do estudo. Para o pesquisador, esses resultados devem tranquilizar os médicos cirurgiões na hora da decisão sobre a remoção total do pâncreas de um paciente. “Nós mostramos que, devido aos avanços recentes e fantásticos da terapia com insulina, pacientes sem o pâncreas podem controlar de forma eficaz o açúcar no sangue.”

Os autores explicam que o problema de retirar apenas uma parte do pâncreas, como muitos médicos fazem, é que os pacientes podem desenvolver um câncer mais difícil de ser detectado na parte do órgão remanescente, ou então outros cistos pré-cancerosos que podem desencadear um câncer grave. “A decisão quanto à retirada do pâncreas é difícil para os cirurgiões, mas esse processo pode se tornar um pouco mais fácil agora que demonstramos que pacientes se saem bem mesmo após a cirurgia”, diz Wallace.

Clique nas perguntas abaixo para saber mais sobre diabetes:

  • Perguntas gerais
  • Causas
  • Prevenção e tratamento

Dra. Christiane Sobral é coordenadora do Centro de Diabetes do Hospital Sírio-Libanês Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo

O que é diabetes?

Qual a diferença entre diabetes tipo 1 e 2?

Quais são os principais sintomas do diabetes?

  • O que é diabetes?
  • Qual a diferença entre diabetes tipo 1 e 2?
  • Quais são os principais sintomas do diabetes?

Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo

Quais são os principais fatores de risco para o diabetes?

Quem tem hipoglicemia na juventude tem mais chances de desenvolver diabetes?

É possível desenvolver a doença por causa de maus hábitos alimentares?

Por que o diabetes está atingindo tanto os jovens?

Quem é obeso vai obrigatoriamente desenvolver diabetes?

  • Quais são os principais fatores de risco para o diabetes?
  • Quem tem hipoglicemia na juventude tem mais chances de desenvolver diabetes?
  • É possível desenvolver a doença por causa de maus hábitos alimentares?
  • Por que o diabetes está atingindo tanto os jovens?
  • Quem é obeso vai obrigatoriamente desenvolver diabetes?

Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo Vídeo

Como diagnosticar o diabetes ainda no início?

Como se prevenir do diabetes?

Quais são as consequências do diabetes não-tratado?

Quais são os tratamentos para o diabetes?

Quais os cuidados que os diabéticos devem ter com a alimentação?

O diabético deve evitar comer frutas doces, como manga, banana, etc?

Qual a importância da atividade física para quem tem diabetes?

Existe cura para o diabetes?

  • Como diagnosticar o diabetes ainda no início
  • Como se prevenir do diabetes?
  • Quais são as consequências do diabetes não-tratado?
  • Quais são os tratamentos para o diabetes?
  • Quais os cuidados que os diabéticos devem ter com a alimentação?
  • O diabético deve evitar comer frutas doces, como manga, banana, etc?
  • Qual a importância da atividade física para quem tem diabetes?
  • Existe cura para o diabetes?

*O conteúdo destes vídeos é um serviço de informação e não pode substituir uma consulta médica. Em caso de problemas de saúde, procure um médico.