Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Antivirais para tratar a Covid-19 são eficazes contra a variante ômicron

Em testes de laboratório, o molnupiravir e o remdesivir foram tão eficazes contra a variante ômicron quanto contra as outras cepas do coronavírus

Por Simone Blanes Atualizado em 1 fev 2022, 15h19 - Publicado em 27 jan 2022, 15h24

Os medicamentos que compõem as pílulas antivirais desenvolvidas para tratar a Covid-19 são eficazes contra a variante ômicron. É o que mostra um estudo feito pela Universidade de Wisconsin-Madison, nos Estados Unidos, divulgado nesta quarta-feira, 26, no New England Journal of Medicine.

Os testes de laboratório, no entanto, também mostraram que os tratamentos de anticorpos disponíveis – normalmente administrados por via intravenosa em hospitais – são substancialmente menos eficazes contra a ômicron do que contra as outras variantes do coronavírus. Alguns, inclusive, perderam completamente a capacidade de neutralizar a ômicron já que esses remédios foram clinicamente projetados e testados antes que os pesquisadores identificassem essa variante, que difere significativamente das versões anteriores do vírus.

O próximo passo são os ensaios clínicos para verificar a real a capacidade das pílulas antivirais em combater a ômicron. Se for confirmada a eficácia, será uma ótima notícia para os médicos e autoridades de saúde pública, que esperam que esses comprimidos se tornem um tratamento cada vez mais comum para a Covid-19, reduzindo a gravidade da doença e diminuindo a carga de hospitais. “A boa nova é que temos contramedidas para tratar a ômicron”, disse Yoshihiro Kawaoka, líder do estudo da Universidade de Wisconsin-Madison. “Tudo isso, porém, está em estudos de laboratório. Se traduz em humanos, ainda não sabemos”. Outro problema é que, por enquanto, as pílulas permanecem em falta durante a atual de Covid-19, provocada pela nova cepa.

Em experimentos de laboratório usando células de primatas não humanos, a equipe de Kawaoka testou um conjunto de anticorpos e terapias antivirais contra a cepa original do vírus da Covid-19 e suas principais variantes incluindo a alfa, delta e ômicron. A pílula molnupiravir, da Merck (MSD no Brasil) e o medicamento intravenoso remdesivir foram tão eficazes contra a variante ômicron quanto contra as outras cepas. Em vez de testar a pílula Paxlovid, da Pfizer, projetada para ser tomada via oral, a equipe testou um medicamento relacionado da farmacêutica, que é administrado por via intravenosa. As duas drogas interrompem a mesma parte da replicação viral, com a forma intravenosa mantendo sua eficácia contra a variante.

Os outros quatro tratamentos de anticorpos testados pelos pesquisadores, no entanto, foram menos eficazes contra a ômicron do que contra as cepas anteriores do vírus. Dois deles, sotrovimab, da GlaxoSmithKline e Evusheld, da AstraZeneca, mantiveram alguma capacidade de neutralizar o vírus, mas exigiram de 3 a 100 vezes mais drogas para se obter algum resultado (os anticorpos da AstraZeneca não são aprovados para uso nos EUA). E dois tratamentos de anticorpos feitos pela Lilly e Regeneron foram incapazes de neutralizar a ômicron em dosagens comuns.

Essas descobertas são esperadas, dada a forma como a variante ômicron difere das cepas anteriores do SARS-CoV-2, pelas dezenas de mutações na proteína spike, que o vírus usa para infectar as células humanas. A maioria dos anticorpos foi projetada para se ligar e neutralizar a proteína spike original, ou seja, grandes mudanças nessa proteína podem tornar os anticorpos menos propensos a se conectar a ela.

Em contraste, as pílulas antivirais têm como alvo a maquinaria molecular que o vírus usa para fazer cópias de si mesmo dentro das células. A variante ômicron tem apenas algumas alterações nesse mecanismo, o que torna mais provável que os medicamentos mantenham sua capacidade de interromper esse processo de replicação viral.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês