Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Alzheimer: novo tratamento mostra-se promissor contra a doença

Medicamento da Eli Lilly foi capaz de reduzir o declínio cognitivo em estudo preliminar

Por Da Redação Atualizado em 11 jan 2021, 18h45 - Publicado em 11 jan 2021, 18h33

Um novo medicamento mostra-se promissor no combate à doença de Alzheimer. Em um pequeno estudo clínico fase 2, o donanemabe diminuiu a velocidade com que pacientes com a doença perdem a capacidade de pensar e cuidar de si mesmos, anunciou a farmacêutica Eli Lilly, nesta segunda-feira, 11.

A droga, um anticorpo monoclonal, liga-se às placas de proteína beta-amiloide já formadas e age destruindo-as. Essas placas são uma das principais características da doença, ao lado dos emaranhados de outra proteína, chamada tau. No início do estudo, todos os participantes apresentavam imagens cerebrais características da doença e sintomas leves a moderados.

O estudo de dois anos envolveu 272 pacientes, que foram divididos em dois grupos: um que recebeu o medicamento e outro, o placebo. Aqueles no grupo de intervenção recebiam, a cada quatro semanas, uma dose de donanemabe via infusão. De acordo com os pesquisadores, após apenas seis a 12 meses de tratamento, as placas de proteína beta-amiloide desapareceram completamente do cérebro desses pacientes. Quando isso aconteceu, eles pararam de receber o medicamento e passaram a receber o placebo.

Os resultados mostraram que os participantes que receberam a droga tiveram uma desaceleração de 32% na taxa de declínio, em comparação com aqueles que receberam apenas o placebo. O principal efeito colateral observado foi o acúmulo de fluido no cérebro. Esse efeito é comum neste tipo de medicamento e a maioria dos participantes não apresentou sintomas.

O estudo serviu como uma espécie de teste para a chamada “hipótese amiloide”. Teoria de que o Alzheimer está intimamente ligado ao acúmulo desta proteína no cérebro e, portanto, se esse acúmulo puder ser prevenido ou revertido, a doença poderá ser prevenida ou curada. No entanto, diversos medicamentos que atuaram nesse mecanismo falharam em comprovar uma melhora no quadro clínico da doença.

O estudo da Lilly ainda não foi publicado em uma revista científica nem revisado por pares, mas se os dados se comprovarem, será uma ótima notícia para os pacientes. Um outro estudo com o mesmo medicamento já está em andamento.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)