Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

A emoção de ter dois corações

O urbanista Lincoln Paiva, 55 anos, fala das surpresas e medos envolvidos em seu inusitado transplante cardíaco

Por Ricardo Ferraz Atualizado em 5 nov 2021, 10h18 - Publicado em 7 nov 2021, 08h00
Lincoln Paiva -
Lincoln Paiva – Instituto Green Mobility/.

Sempre fui uma pessoa ativa, praticante de atividades físicas. Elegi a bicicleta como meio de transporte e pedalava pela cidade cada vez que precisava me deslocar. Até fundei um instituto para repensar a mobilidade urbana. Por causa desse meu condicionamento, fiquei surpreso quando comecei a sentir dores no peito em pleno Carnaval de 2020. Era um infarto. Fui levado para o hospital e operado de emergência, para o implante de dois stents. Como não havia vagas, já que quase todos os leitos estavam ocupados para tratamento da Covid-19, recebi alta logo. A partir daí, vivi um entra e sai em diversos hospitais particulares, fazendo uma batelada de exames, até uma ressonância magnética apontar insuficiência cardíaca grave. Sem um transplante, morreria dali a três ou quatro meses.

A fragilidade da situação me amedrontou e eu decidi procurar o Instituto do Coração, em São Paulo, um hospital público onde atuam alguns dos melhores médicos do Brasil. Minha primeira consulta demorou três meses para ser agendada, mas meu caso chamou atenção. Um cateterismo detectou mais um agravante: a pressão pulmonar estava muito elevada. Nesse caso, o transplantado precisa ser acoplado ao Heartmate, uma espécie de coração mecânico externo que normaliza a pressão antes de o sangue passar pelo novo órgão. O equipamento custa quase 1 milhão de reais, e não havia nenhum disponível naquele momento.

O tempo estava passando, os medicamentos já não faziam efeito, a pressão pulmonar seguia subindo e eu podia morrer a qualquer momento. Me internaram. Foi muito difícil ficar isolado das pessoas que amo, falando com elas apenas pelo celular. A esperança já estava se esvaindo quando o doutor Fábio Gaiotto me propôs uma solução inédita: implantar um novo coração, mas manter o antigo batendo em meu peito para desempenhar a função do Heartmate. Outras pessoas já haviam vivido com dois corações, mas nunca com o propósito de substituir a máquina. Topei na hora, não só porque poderia me salvar, mas porque a experiência ajudaria muita gente no futuro.

Em agosto, finalmente me submeti à cirurgia. Foi complicado voltar da anestesia, tinha delírios em que rejeitava o coração novo. Não me via com ele, só com o velho. Foi um momento difícil, doloroso, solitário. Custei a achar que continuaria vivo. Mas tudo deu certo, a pressão pulmonar voltou ao normal e pude sair da UTI, ir para o quarto e receber a visita das pessoas que mais amo.

Apesar de tudo o que se escreve e fala sobre coração e emoção, claro que eu sabia que o músculo cardíaco não é responsável pelos sentimentos. Mas, perto da minha família, senti meus dois corações batendo por eles — em ritmos diferentes, algo que levei um tempo para me acostumar. Vê-los em um ecocardiograma, o original meio achatado, o outro vibrante, forte, foi uma sensação magnífica.

Tudo evoluía bem e a retirada do coração antigo estava prevista para acontecer em seis meses, mas um coágulo descoberto em um dos exames de acompanhamento apressou as coisas. No início de outubro, depois de passar dois meses com dois corações no peito, voltei à sala cirúrgica para remover o órgão doente. Felizmente, tudo correu bem de novo. Sou muito grato ao doutor Gaiotto, que me trata como se eu fosse parte de sua competente equipe. Sei que meu caso pode mudar a história da cardiologia no Brasil. Todos os esquipamentos e softwares do hospital eram para um coração só e precisaram ser adaptados. Tudo o que for aprendido daqui para a frente será por meio da minha experiência, que é algo muito maior do que eu. Sinto-me honrado de ter ajudado a ciência brasileira a se desenvolver — mais ainda por isso ter sido possível dentro do SUS.

Lincoln Paiva em depoimento dado a Ricardo Ferraz

Publicado em VEJA de 10 de novembro de 2021, edição nº 2763

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)