Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

“Represento não só a mulher negra, mas sim todas as brasileiras”

Miss Brasil 2017, a piauiense Monalysa Alcântara relembra os ataques racistas que sofreu nas redes sociais antes e depois de receber a faixa

Por Monalysa Alcântara 17 nov 2017, 06h00
//VEJA.com

“Meu sonho sempre foi ser miss Brasil. O Brasil é um país diverso e não existe uma região ou cor de pele que o represente melhor que outra. Somos todos uma mistura de raças. Eu represento não só a mulher negra e nordestina, mas também todas as mulheres brasileiras que lutam para vencer as adversidades com um gingado irreverente e sorridente. Represento a resistência.

Nada se compara ao que vivi quando anunciaram que a faixa de miss Brasil 2017 seria minha. Não foi fácil essa vitória. Foi difícil ficar longe da família e dos amigos. E então recebi uma enxurrada de ataques racistas na internet — bem pesados e completamente gratuitos. A maioria não se conformava com um fato: eu havia derrotado uma candidata branca (a gaúcha Juliana Mueller). De todos os comentários odiosos, o mais replicado foi o que dizia que eu tenho ‘cara de empregadinha’.

Não foi a primeira vez que sofri racismo. Vivi outros episódios antes de receber a faixa de miss. Por ser mulher, negra e nordestina, passei por diversas situações de preconceito. Um episódio foi muito marcante. Quando comecei a trabalhar como modelo, fui participar de um casting para o desfile de uma marca de Teresina e a dona me disse que eu não poderia desfilar para ela. O motivo? Minha cor não combinava com as roupas de sua grife. Não valorizaria as peças dela. Foi horrível, eu me senti péssima. Mas esse caso me fez aprender a não levar essa negatividade para a minha vida. Pelo contrário. Essa triste fatalidade me deu forças para que eu quisesse ir cada vez mais longe, ir atrás dos meus sonhos e provar que posso chegar aonde eu quiser.

Lamento muito e fico assustada por saber que o racismo ainda existe de maneira tão forte em um país como o nosso, em que mais da metade da população é de origem negra. Mas estou preparada para lidar com essas situações. Elas provam que minha luta deve e merece ser conhecida.

Eu realmente não me deixo contaminar com essa energia ruim, preconceituosa e mesquinha. Estou em um momento muito feliz da minha vida. Representarei o Brasil no Miss Universo no dia 26 de novembro. Sou otimista. Acredito que estão enxergando a mulher negra como sempre deveríamos ser vistas: uma mulher como qualquer outra, que tem sua beleza, sua personalidade e sua luta. Por muito tempo fomos marginalizadas e tidas como feias e solitárias, mas hoje isso está mudando. O racismo é crime, e eu estou aqui para lutar e erguer a voz contra ele.”

Depoimento a Bruno Meier

Publicado em VEJA de 22 de novembro de 2017, edição nº 2557

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)