Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

O tempo recuperado

Em 'Christopher Robin — Um Reencontro Inesquecível', um adulto sério redescobre o mundo de imaginação da infância. É uma espécie de Proust para crianças

Por Isabela Boscov Atualizado em 4 jun 2024, 17h39 - Publicado em 17 ago 2018, 07h00

A vida do Christopher Robin (1920-1996) de carne e osso foi cheia de amargura: quando ele ainda era pequeno, seu pai, o escritor Alan Alexander Milne (1882-1956), transformou-o em personagem dos livros infantis protagonizados pelo Ursinho Pooh e por outros bichos de pelúcia, condenando-o “à fama vazia de ser seu filho” e, conforme ele disse, roubando sua infância. Christopher só era feliz nas páginas; em casa, criado por uma babá, pouco convivia com o pai e a mãe distantes. Pooh, enquanto isso, virou uma indústria de sucesso estrondoso e duradouro. Até hoje, porém, à parte o biográfico Adeus Christopher Robin (2017), nenhum dos desenhos, filmes e livros que exploraram os personagens havia tratado da sombra que paira sobre a criação de Milne. É ela que dá o tom de Christopher ­Robin — Um Reencontro Inesquecível (Christopher Robin, Estados Unidos, 2018), já em cartaz no país.

Nesse misto de live-action e animação, o pequeno Christopher dá adeus com o coração apertado aos seus amigos quando parte para o colégio interno — ruptura inescapável para garotos ingleses de classe alta —, diz que nunca vai esquecê-­los e, claro, os esquece. Os estudos, a II Guerra e então o trabalho fazem de Christopher (Ewan McGregor) um tipo sério e caxias. Nem para a mulher (Hayley Atwell) e a filha ele acha tempo. A angústia com uma crise na sua empresa, entretanto, faz com que Pooh reapareça e, com sua sabedoria singela, pouco a pouco encoraje o amigo a redescobrir a pessoa que fora um dia. Marc Forster, que já dirigiu de O Caçador de Pipas a Guerra Mundial Z, apoia-se nos cativantes McGregor e Hayley para su­blinhar o que essa história tem de doce, sem carregar no cinza. O resultado é mansinho: algo como uma versão do Em Busca do Tempo Perdido de Marcel Proust para crianças.

Publicado em VEJA de 22 de agosto de 2018, edição nº 2596

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.