Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O deputado 125540

VEJA acompanhou a rotina de trabalho do parlamentar que durante o dia despacha no Congresso e à noite se recolhe a uma cela da Papuda

Por Marcela Mattos 17 nov 2017, 06h00

No deserto do Congresso em pleno feriadão, a presença do deputado Celso Jacob, do PMDB do Rio de Janeiro, chamava atenção — mas não era um exemplo de diligência. Em junho, o parlamentar foi condenado a sete anos e dois meses de prisão em regime semiaberto, o que significa que ele pode trabalhar durante o dia, mas tem de dormir na cadeia. Na Papuda, a penitenciária de Brasília, Celso Jacob, de 60 anos, é o detento número 125540. À noite, fica numa cela de 12 metros quadrados, na ala destinada a vulneráveis. De segunda a sexta, exceto nos feriados, Jacob acorda antes de o sol nascer, veste-se e, sem tomar café, dirige-se às 7 horas em ponto ao estacionamento do presídio, onde uma Santana Quantum 1995 o espera.

10h18 Passeando no Congresso vazio Cristiano Mariz/VEJA

10h45 Cuidando da aparência Cristiano Mariz/VEJA

12h07 Continua o passeio no Congresso vazio Cristiano Mariz/VEJA

O carro pertence a uma funcionária do gabinete do deputado, cujo salário é de 2 300 reais. Os 20 quilômetros que separam a Papuda do Congresso são percorridos em 35 minutos (o veículo tem uma multa por excesso de velocidade no trajeto). Ao chegar à Câmara, o deputado começa sua transformação de presidiário em parlamentar. Depois de ir ao gabinete, sua primeira atividade é tomar um banho quente (na prisão, a água é gelada) e trocar de roupa (o uniforme da Papuda é calça e camiseta branca). O desjejum vem na sequência. Numa semana normal, ele tem uma agenda de reuniões. Em semana de feriadão, não havia nada para fazer, e o dia do parlamentar se resumiu a ir ao caixa eletrônico, à barbearia, ao restaurante — e a falar ao celular, tudo dentro do prédio do Congresso, de onde só pode sair com autorização judicial. Por isso, o deputado não desgruda do aparelho (na prisão é proibido usá-lo).

12h35 No almoço, bacalhau à lagareiro Cristiano Mariz/VEJA
Continua após a publicidade


14h08 Sacando dinheiro Cristiano Mariz/VEJA

Além de conversar com a família, amigos e advogados, Jacob repassa notícias de seus companheiros de cadeia que não podem deixar a Papuda. Um de seus interlocutores é João Ricardo, filho do diretor da JBS Ricardo Saud. Na hora do almoço, na terça-feira, Jacob foi ao restaurante dos senadores. Pediu de entrada um creme de abóbora com carne-seca, bacalhau à lagareiro como prato principal e, de sobremesa, uma bavaroise de açaí recoberta por praliné de castanha-do-pará (o cardápio da prisão foi arroz, feijão, frango empanado e purê de batata). Pagou 44,15 reais — ou melhor, não pagou. As refeições, como a conta de telefone, são pagas pelo contribuinte. Só de reembolso de comida e ligações, Jacob recebeu 5 335 reais, de julho a outubro.

19h23 Fim de expediente Cristiano Mariz/VEJA

19h50 Voltando para o presídio Cristiano Mariz/VEJA

Sua constante presença no Congresso se explica: para cada três dias que trabalha, abate um dia da pena. No recesso de julho, quando também não se faz nada, ele “trabalhou”. O estudo também reduz o tempo de prisão. Na Papuda, fez um curso de licitação (o deputado foi condenado por fraude a licitação). Foi aprovado com média de 7,7. Jacob é o segundo deputado-presidiário da história da Câmara. O primeiro, Natan Donadon, foi cassado depois da condenação, em 2013. Naquela época pré-Lava-Jato, o decoro achava inadmissível a presença de um parlamentar-presidiário. Mas isso foi naquela época.

 

Publicado em VEJA de 22 de novembro de 2017, edição nº 2557

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)