Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O corrupto encarcerado

Derrotado no STF e com uma ordem de prisão expedida pelo juiz Moro, o ex-presidente Lula decide não se entregar à PF — mas seu destino é um só: a cadeia

Por Eduardo Gonçalves, Laryssa Borges, Hugo Marques e Gabriel Castro
Atualizado em 7 abr 2018, 06h01 - Publicado em 7 abr 2018, 06h00

A derrota do ex-presidente Lula no Supremo Tribunal Federal (STF) na madrugada de quinta-feira estava sendo encarada com relativa naturalidade. Por 6 votos a 5, os ministros rejeitaram o habeas-corpus preventivo, com base no qual o petista garantiria sua liberdade, e concordaram que o réu, já condenado em duas instâncias, podia ser preso. A defesa de Lula acreditava que ainda teria alguns dias até que a prisão fosse formalizada. Mas na quinta-feira, enquanto o petista e seus advogados discutiam os últimos recursos que poderiam impetrar para adiar a prisão, uma novidade os pegou de surpresa e mudou o curso das coisas: o juiz Sergio Moro anunciou que Lula tinha até as 17 horas de sexta-feira para se apresentar em Curitiba e começar a cumprir sua pena de doze anos e um mês de prisão. Daí em diante, as atenções se concentraram na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC paulista, um prédio de quatro andares, onde Lula se recolheu na quinta e continuava até a noite de sexta-feira, quando VEJA fechou esta edição.

Em São Bernardo - Apoiadores de Lula defendem a “resistência” do petista na frente do Sindicato dos Metalúrgicos
Em São Bernardo – Apoiadores de Lula defendem a “resistência” do petista na frente do Sindicato dos Metalúrgicos (Caio Guatelli/VEJA)

A cronologia mostra a surpresa do ex-presidente e sua defesa diante da decisão de Moro. Às 17h30 de quinta-feira, o advogado Cristiano Zanin havia afirmado em entrevista coletiva que não via “risco nenhum de prisão” imediata do seu cliente — confiava que os chamados “embargos dos embargos” ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) poderiam adiar a medida. Menos de meia hora depois, Moro ordenou o recolhimento do petista. Antes disso, o PT convocara uma manifestação em desagravo ao líder, programada para as 18 horas da sexta-feira, em São Bernardo do Campo. Lula tinha confirmado presença. As expectativas ruíram com a decisão do juiz.

Assim que tomou conhecimento dela, Lula deixou o instituto que leva seu nome e seguiu para o sindicato, onde aliados começaram a pôr em prática a estratégia arquitetada há algum tempo para transformar a prisão do ex-­presidente em um ato político e midiático. A escolha do Sindicato dos Metalúrgicos como base da “resistência” não foi casual. Foi como presidente da instituição que ele foi preso em 1980, durante o regime militar. Agora, pretendia ser preso no local, de forma a reforçar o discurso de que foi vítima de uma “prisão política” e produzir imagens politicamente fortes: as da Polícia Federal entrando em seu berço político para prendê-lo na presença da multidão que o apoia.

Em Curitiba – Diante do prédio da Polícia Federal, manifestantes pedem a prisão do ex-presidente: “Lula, cadê você?” (Mauro Pimental/AFP)

Na Justiça, o último obstáculo para o encarceramento de Lula foi superado na madrugada de quinta-feira. Em sessão do STF que durou onze horas, os ministros decidiram que um condenado em segunda instância podia, sim, começar a cumprir pena imediatamente. A favor dessa tese, votaram os ministros Edson Fachin, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux, Cármen Lúcia e Rosa Weber — essa última, dona do único voto que permanecia uma incógnita. Rosa Weber é, pessoalmente, contra a prisão antecipada, mas, como ressaltou em seu voto, recusou o habeas-corpus de Lula em respeito ao “princípio da colegialidade”. Ou seja: como o plenário do STF havia decidido aceitar a prisão antecipada em julgamento feito em 2016, a ministra entendeu que o colegiado tinha de ser respeitado. Os demais, que são contra a prisão antecipada, parecem estar contra o “princípio da colegialidade”.

Os cinco ministros que votaram a favor do habeas-corpus de Lula são os seguintes: Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello, Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e o decano Celso de Mello. Alguns deles são completamente contra a antecipação da pena, tal como Rosa Weber, porque entendem que a Constituição exige o trânsito em julgado para que alguém seja declarado culpado. Outros até aceitam uma solução intermediária: que a pena comece a ser cumprida depois de uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), uma espécie de terceira instância do Judiciário. Na sessão, Barroso inclusive fez um alerta: se a ideia é autorizar a prisão depois do STJ, que seja logo após a “primeira decisão terminativa” do tribunal. É uma forma de evitar a interposição interminável de recurso depois de recurso, até que o crime prescreva.

A última chance – Por 6 votos a 5, os ministros do STF negaram a Lula a concessão do habeas-corpus preventivo (Adriano Machado/Reuters)

Num dos momentos mais tensos da sessão, o ministro Gilmar Mendes, que era firmemente favorável à antecipação da pena em 2016, e agora é firmemente contra, denunciou as pressões sobre o STF, sobretudo da imprensa, a que chamou de “mídia opressiva”, que vem, segundo ele, chantageando os magistrados. Gilmar Mendes não disse nada sobre a pressão descabida provocada pelo comandante do Exército, Eduardo Villas Bôas, que na véspera postara uma mensagem em rede social dizendo que o Exército se alinhava ao lado dos que lutam “contra a impunidade”. Coube ao ministro Celso de Mello responder à pressão do general.

Continua após a publicidade

Encerrada a sessão do STF, a defesa de Lula passou a discutir suas estratégias para adiar a prisão por alguns dias. Consumiu a quinta-feira em debates sobre o que fazer, até ser surpreendida pela decisão de Moro. Na sexta-­feira, recolhido à sede do sindicato dos metalúrgicos, Lula não anunciou se se entregaria ou não até as 17 horas. Deixou que o prazo estourasse, enquanto os militantes se reuniam em torno do sindicato e em outros pontos do país. Até a noite de sexta, houve manifestações em 24 estados e no Distrito Federal em favor da liberdade de Lula. Em cinco estados, também houve manifestações pela sua prisão.

Voto decisivo – Rosa Weber: fiel da balança, a ministra manteve incógnita sua opinião até o último minuto (Cristiano Mariz/.)

Na verdade, Lula não anunciou sua decisão porque a questão estava longe de ser um consenso. No sindicato, ouviu conselhos sobre o que fazer. Advogados sugeriram ao petista acatar a ordem de Moro, com o argumento de que qualquer coisa que parecesse insubordinação à determinação judicial poderia dificultar recursos futuros. Já amigos e parlamentares, como Lindbergh Farias e Gleisi Hoffmann, pediam “resistência”. Do lado de fora do sindicato, o clima era tenso. Nos carros de som, as palavras de ordem incluíam “Cadeia para Moro” e “Vamos transformar o país em um caldeirão”. Manifestantes lançaram ovos contra jornalistas e um carro da Bandnews teve os vidros quebrados. Na frente do Instituto Lula, ocorreu o incidente mais grave. Um manifestante anti-Lula xingou aos gritos o senador Lindbergh Farias e foi agredido a socos e pontapés por militantes da CUT e um ex-vereador do PT.

Até a noite de sexta-feira, integrantes da cúpula do PT e da Polícia Federal continuavam a negociar os termos para levar Lula à prisão. Quando se concluiu que nem a Polícia Federal iria até o sindicato prender Lula nem Lula iria até a sede da Polícia Federal se entregar, a possibilidade mais forte passou a ser que tudo se resolvesse no sábado. A ideia era que Lula se entregaria depois da missa pelo aniversário de sua mulher, Marisa Letícia, prevista para a manhã de sábado. Ao mesmo tempo que negociava com a polícia, a defesa do ex-­presidente entrou com um pedido de liminar no STF semelhante ao que já havia sido negado pelo STJ — para que Lula não seja preso antes do julgamento das ações declaratórias de constitucionalidade (ADCs) que discutem a prisão após a condenação em segunda instância. Do lado de fora do sindicato, diante do racha entre advogados favoráveis à imediata apresentação de Lula à polícia e políticos que achavam que ele deveria se manter onde estava, um grupo de manifestantes passou a gritar: “Lula, não ouça seus advogados, ouça a militância!”.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 11 de abril de 2018, edição nº 2577

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.