Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Memória: Erick Morillo, Wolfgang Uhlmann e Joe Ruby

O DJ, o jogador de xadrez e o pai do Scooby-Doo

Por Da Redação Atualizado em 3 set 2020, 13h50 - Publicado em 4 set 2020, 06h00

Em meados dos anos 1990, só mesmo quem era ruim da cabeça ou doente do pé não dançou ao som da batida tecno de um sucesso incontornável, I Like to Move It, que depois faria parte da trilha sonora do desenho Madagascar, de 2005. O DJ Erick Morillo, criador do hit, americano de origem colombiana, levava a vida mais ruidosa que suas canções. Em agosto ele foi detido, acusado de estupro por uma mulher. Morillo sempre negou as acusações, mas testes de DNA com fios de cabelo encontrados no quarto do músico em Miami, cena do suposto crime, alimentaram as suspeitas. Tinha 49 anos. Foi encontrado morto dentro de casa, em 31 de agosto. Até quarta-feira 2, a morte não tinha sido esclarecida — a polícia descartara a hipótese de assassinato.

O XADREZ DA GUERRA FRIA

TABULEIRO – O grande mestre: peão político da Alemanha Oriental – Thonfeld/ullstein bild/Getty Images

Houve um tempo, nos anos 1960 e 1970, em que jogadores de xadrez dos países que orbitavam em redor da União Soviética eram considerados heróis — e, mais do que isso, serviam como instrumentos na guerra ideológica contra os Estados Unidos. Um dos mais celebrados foi o alemão-oriental Wolfgang Uhlmann, que durante mais de uma década esteve entre os trinta melhores mestres internacionais, e cujas vitórias eram a senha para festas populares em Berlim. Contra o americano Bobby Fischer, uma lenda incontornável, fez oito partidas — ganhou uma e perdeu três. Houve quatro empates. Uhlmann jogou uma vez (e venceu) com o prodígio brasileiro Mequinho. Morreu aos 85 anos, em decorrência de complicações de tuberculose, em Dresden, em 24 de agosto.

DOOBY DOOBY DOO

DOGUE ALEMÃO – O criador: personagem inspirado numa canção de Frank Sinatra – ./Reprodução

Parecia improvável que as crianças gostassem daquele grupo de quatro adolescentes com jeitão de detetives associados a um dogue alemão cujo nome foi inspirado no cantarolar de Frank Sinatra em Strangers in The Night — “dooby dooby doo”. Mas Scooby-Doo deu certo, está há cinquenta anos no ar, gerou franquias em profusão e muito dinheiro para sua produtora, a Hanna-Barbera. O divertido grupo foi uma criação do americano Joe Ruby. “Meu avô nunca parou de escrever e criar, mesmo com a idade”, disse Benjamin Ruby. Joe tinha 87 anos. Morreu em Westlake Village, na Califórnia, em 26 de agosto.

Publicado em VEJA de 9 de setembro de 2020, edição nº 2703

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês