Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Futuro sombrio

Nos dois casos, o ataque à caravana de Lula e as ameaças ao ministro Fachin, estamos diante de uma afronta às liberdades democráticas

As circunstâncias exatas em que a caravana do ex-presidente Lula foi alvejada por três tiros no interior do Paraná, na terça-feira da semana passada, ainda não foram totalmente esclarecidas — e, a depender dos detalhes que venham à tona, talvez a leitura do episódio seja alterada. Mas, até agora, surgiram indícios de que se tratou de um ataque organizado, entre outros, por militantes de extrema direita. Pois bem. Se a suspeita for confirmada, o caso, além de intolerável agressão à democracia, terá sido um brutal erro político.

Nessa hipótese, o atentado a bala dará — e em boa medida já está dando — consistência inédita ao discurso vitimizador do PT. Se antes Lula caía no vazio ao dizer que era alvo de uma caçada antidemocrática, de uma perseguição implacável destinada a destruí-lo a qualquer custo, os radicais arruaceiros, agora, acabaram de dar razão a Lula. Afinal, ser alvo de um atentado a bala é, sem dúvida, uma caçada antidemocrática, uma perseguição implacável. Trata-se de uma ação inaceitável.

Embora distintas na forma e no conteúdo, as ameaças contra o ministro Edson Fachin e sua família, reveladas por ele próprio em entrevista ao jornalista Roberto D’Ávila, são igualmente deploráveis e, também elas, constituem agressão intolerável à democracia. Fachin, ministro do Supremo Tribunal Federal, não detalhou as ameaças que vem recebendo, mas é fácil supor que elas tenham relação com seu papel decisivo nos desdobramentos da Lava-Jato, que, pela primeira vez na história brasileira, sinaliza encerrar a longa impunidade de criminosos de colarinho branco.

Nos dois casos, o ataque à caravana de Lula e as ameaças ao ministro Fachin, estamos diante de uma afronta às liberdades democráticas. Pouco importa o que se pensa de Lula, do PT, de Fachin, do STF ou da Lava-Jato. Pouco importa que Lula e o PT tenham, eles próprios, defendido de modo sistemático, tanto na oposição quanto no governo, a intolerância contra seus adversários políticos. Pouco importa, enfim, que os petistas estejam agora recebendo tratamento semelhante ao que já dispensaram aos inimigos. Não estamos sob o império da lei de talião. Em uma democracia, esse tipo de violência não é tolerável, independentemente de quem seja a vítima e de quem sejam os autores.

Cabe às autoridades investigar esses crimes e puni-los com a eficácia prevista na lei. Se a resposta a esse comportamento criminoso não for efetiva, lamentavelmente o futuro será sombrio para a ainda jovem democracia brasileira. Porque a inação do Estado contra a violência política é, em si mesma, uma forma de violência política.

Publicado em VEJA de 4 de abril de 2018, edição nº 2576

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Mas por que as reportagens não lembram que Lula está condenado? Estes protestos são de pessoas indignadas. Diferentemente os protestos do MST são organizados seguindo um comando central

    Curtir