Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

TCU discutirá responsabilização do PT em rombo da Petrobras na Venezuela

Segundo Lava-Jato, compra de navios-sonda era estratégia para recolher propina a corruptos do petrolão e saldar dívidas de campanha de petistas

Por Laryssa Borges Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 31 Maio 2023, 14h56 - Publicado em 31 Maio 2023, 12h22

Em meio a controvérsia protagonizada pelo presidente Lula, que minimizou nesta semana o regime autoritário do aliado venezuelano Nicolás Maduro e reduziu a ditadura e a crise humanitária do país a uma questão de “narrativa”, o Tribunal de Contas da União (TCU) decidiu tirar da gaveta um processo rumoroso que tenta de forma inédita responsabilizar o Partido dos Trabalhadores (PT) por participação em fraudes envolvendo a subsidiária da Petrobras na Venezuela.

Investigado na extinta Operação Lava-Jato no âmbito da contratação ilegal de navios-sonda pelo Grupo Schahin, o caso foi incluído na pauta da sessão plenária desta quarta-feira, 31, por decisão do relator, ministro Antonio Anastasia. Ainda no ano passado, auditores do TCU submeteram a Anastasia proposta para que o PT, o ex-tesoureiro da legenda João Vaccari Neto, os ex-presidentes da Petrobras José Sergio Gabrielli e Graça Foster, 15 outras pessoas e duas empresas pudessem ser responsabilizados solidariamente por um rombo de 244 milhões de reais, em valores históricos, por terem participado, de alguma forma, da compra fraudulenta de navios-sonda. Atualizadas, as cifras ultrapassam 530 milhões de reais.

Investigações da Lava-Jato mostraram que os contratos de aquisição dos navios foram direcionados deliberadamente para o Grupo Schahin em troca do recolhimento de propina e da quitação de dívidas de campanha dos petistas. A Petrobras Venezuela Investments & Services B.V. (PVIS) foi a contratante dos serviços da Schahin para operar um navio-sonda na campanha de exploração internacional de petróleo e gás da estatal.

Nas palavras dos técnicos do TCU, trata-se de “desnecessária e fraudulenta” contratação de empresas ligadas ao Grupo Schahin pela subsidiária da Petrobras na Venezuela. Segundo a Lava-Jato, o negócio envolvendo os navios-sonda teve participação crucial do empresário José Carlos Bumlai, amigo de Lula e que, de acordo com as investigações criminais em Curitiba, teria se beneficiado do contrato para receber o pagamento de um empréstimo milionário que havia feito ao Grupo Schahin tempos antes.

Depois das declarações laudatórias de Lula em relação a Maduro, o TCU pinçou o caso de volta para o plenário. A expectativa é que o julgamento eleve em alguns decibéis a discussão do processo porque, de acordo com auditores da Corte, o PT atuou e garantiu apoio político à diretoria executiva da Petrobras para que empresas pertencentes ao Grupo Schahin fossem contratadas irregularmente. Todos os citados no caso deverão ser notificados para apresentar defesa no prazo de 15 dias.

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.