Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Servidores rejeitam proposta de Dilma e ameaçam radicalizar

Representantes das categorias em greve recusaram reajuste de 15,8% fatiado em três parcelas e saíram da reunião no Ministério do Planejamento dispostos ampliar protestos

Fracassou a tentativa do governo de encontrar uma solução para o impasse com os servidores federais em uma reunião neste sábado. Representantes das categorias em greve recusaram neste sábado a proposta do governo Dilma Rousseff de um reajuste salarial de 15,8%, fatiado em três parcelas, de 2013 a 2015. Representantes de alguns dos setores paralisados saíram da reunião no Ministério do Planejamento dispostos a radicalizar a greve.

“Se o governo insistir nessa postura intransigente vamos à greve por tempo indeterminado”, ameaçou Allan Titonelli Nunes, do Fórum Nacional da Advocacia Pública Federal. Os profissionais da Advocacia da União – que nunca fizeram greve, mas estão promovendo manifestações de protesto – recebem salários entre 14.500 reais, no início de carreira, e 19.500 reais, no topo. Eles querem ser equiparados à magistratura e ao Ministério Público, instituição com remunerações que chegam a 26 mil reais.

A União das Carreiras de Estado (UCE), que congrega 22 sindicatos e mais de 50 mil servidores de áreas estratégicas, foi uma das entidades que rejeitaram a proposta do governo para encerrar as ações de protesto. O movimento prejudica as atividades da Polícia Federal, da Receita e de órgãos de controle e fiscalização.

“A Polícia Federal está sucateada. Cortaram 70% dos recursos de custeio e até atividades rotineiras de investigação estão prejudicadas. Falta dinheiro até para coletes e munição”, reclamou o delegado Amaury Portugal, presidente do Sindicato dos Delegados da PF em São Paulo. Apesar de rejeitar o acordo, Portugal é contrário à adesão de delegados à greve.

Para contornar o impasse, o núcleo de gestores do Estado, que também integra a UCE, apresentou ao governo uma contraproposta: 25% de reajuste em três parcelas, sendo 6% em 2013, 8% em 2014 e 10% em 2015. O secretário de Relações do Trabalho, Sérgio Mendonça, considerou “muito difícil” aceitar a proposta.

(Com Agência Estado)

Leia também:

o governo acuado pelo seu braço sindical