Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PSDB e PT se preparam para depoimento de Cachoeira

Parlamentares tentam colher o maior volume de informações possíveis, mesmo diante da possibilidade de o contraventor se manter em silêncio

Em funcionamento há pouco mais de 15 dias, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira terá seu primeiro grande momento nesta semana, com o depoimento do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Mesmo diante da perspectiva de Cachoeira permanecer calado durante toda a audiência, conforme sinalizou seu advogado Márcio Thomas Bastos, os 64 titulares e suplentes da CPI estão se municiando de dados para tentar extrair o máximo de informações do empresário de jogos de azar.

Após o depoimento do delegado da Polícia Federal (PF) Matheus Mella Rodrigues, responsável pela Operação Monte Carlo, os petistas pretendem apostar suas fichas no aprofundamento de detalhes da relação de Cachoeira com o governador tucano de Goiás, Marconi Perillo.

Leia também:

Subprocurador-geral irá à CPI se for convocada

STF decidirá nesta segunda se Cachoeira vai prestar depoimento

Cachoeira tem sigilo bancário quebrado e bens bloqueados

Delta – A oposição, por sua vez, tentará focar o depoimento de Cachoeira em suas relações com a Delta Construções, campeã de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), com contratos em quase todos os Estados. Os oposicionistas estão convencidos de que o contraventor era uma espécie de lobista da empreiteira não só na região Centro-Oeste, mas em todo o país.

Em depoimento à CPI na última quinta-feira, o delegado Rodrigues confirmou que Cachoeira teve participação na compra de uma casa do governador tucano. Foram usados três cheques de Leonardo Almeida Ramos, sobrinho do contraventor, que somavam 1,4 milhão de reais. Além disso, segundo as investigações da Polícia Federal, Cachoeira teria “cotas” de cargos no governo tucano, com o pagamento até de mesada de 10 000 reais ara secretários de estado.

(Com Agência Estado)