Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Procuradores negociam repatriação de US$ 54 mi de lobista da SBM

Júlio Faerman, representante da construtora de navios no Brasil, é uma da peças centrais nos pagamentos de propinas para ex-executivos da Petrobras

O Ministério Público da Suíça indicou na terça-feira estar disposto a repatriar ao Brasil o dinheiro congelado nas contas do lobista da construtora de navios SBM Offshore, Júlio Faerman. O empresário fez delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF) em maio e deu seu sinal verde para a devolução. Os depósitos poderiam chegar a 54 milhões de dólares.

Ele é suspeito de ter sido uma das peças centrais nos pagamentos de propinas para ex-executivos da Petrobras. Por isso, tanto do lado brasileiro como do suíço, um pente-fino está sendo feito para identificar todos os valores em todas as contas, além da origem e destino da propina. O ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco revelou que até 200.000 dólares recebidos da SBM foram repassados ao ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, preso em Curitiba. Segundo Barusco, a quantia foi solicitada a Faerman como um “reforço” de campanha de Dilma Rousseff em 2010. Na terça-feira, na cidade suíça de Lausanne, uma equipe de procuradores iniciou negociações para recuperar o dinheiro e acredita que os valores poderão estar nos cofres públicos em “poucos meses”.

A assessoria de imprensa da Procuradoria-Geral da Suíça confirmou a negociação. “Confirmamos o encontro entre o Ministério Público e procuradores brasileiros para falar sobre a repatriação de alguns ativos sequestrados na Suíça no caso da Petrobras”, disse o órgão. Entre os detalhes que ainda estão pendentes para a liberação está o valor exato do dinheiro da propina. As investigações apontaram que existe uma parte do dinheiro que não seria fruto da corrupção, o que deve permanecer com o empresário.

Um representante do Ministério Público brasileiro informou que a meta da viagem é chegar a um entendimento sobre o “compartilhamento de ativos”. Ainda assim, o Ministério Público estima que a maior parte dos 54 milhões de dólares deve ir aos cofres públicos nacionais. As contas estão bloqueadas pela Procuradoria-Geral da Suíça. Segundo o órgão, Faerman faz parte dos investigados nas mais de 300 contas descobertas no caso da Petrobras.

Leia também:

PT recebeu até US$ 200 mi em propina, diz delator

(Com Estadão Conteúdo)