Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Presidente do PROS é acusado de sumir com bens da legenda

Eurípedes Junior nega acusação que envolve bens estimados em 50 milhões de reais

Por Hugo Marques Atualizado em 6 mar 2022, 18h21 - Publicado em 6 mar 2022, 18h11

O PROS virou caso de polícia. De novo. Marcus Vinícius de Holanda, que reivindica a presidência do partido na Justiça, registrou um boletim de ocorrência na Delegacia de Planaltina (GO) contra o presidente de fato do partido, Eurípedes Junior. Na ocorrência, Holanda diz que chegou ao seu conhecimento que Eurípedes está retirando da gráfica da legenda todos os equipamentos do parque gráfico, além de dez veículos, um helicóptero Robinson R66, computadores equipamentos de energia solar e móveis, itens avaliados em 50 milhões de reais. Holanda divulgou vídeos de caminhões movimentando todo o material.

Holanda disse a VEJA que foi à sede da gráfica do PROS e que todo material já foi retirado. “Fizemos as imagens de drone e não sobrou nada lá na gráfica”, disse Holanda. Atrás dessa ocorrência está uma briga de foice pelo controle do PROS. O embate chegou ao Tribunal de Justiça do Distrito Federal, onde Holanda impetrou uma ação contra Eurípedes, na qual pede o controle sobre os bens do partido. Holanda perdeu em primeira instância, mas o TJ julga o processo em segunda instância na próxima terça-feira. Segundo a denúncia, todos os equipamentos estariam sendo removidos para São Paulo.

reprodução
Um dos caminhões que teriam sido usados para retirar material da gráfica do PROS reprodução/Reprodução

Eurípedes Junior tem um histórico de ocorrências. Em 2017, o TSE decidiu quebrar o sigilo do partido, em função da compra de mansão, helicóptero e outros bens com recursos do fundo partidário. Ainda em 2017, VEJA publicou reportagem com entrevistas de dirigentes do PROS confirmando delação premiada da Odebrecht, com a acusação de que o PROS se vendeu à campanha de Dilma Rousseff.

Em 2018, o ex-diretor jurídico do PROS, João Leite, confirmou a VEJA que foi pessoalmente à sede da JBS em São Paulo para pegar propina de 1,7 milhão de reais para o PROS, sem deixar rastros. Era uma forma de comprar o partido para apoiar Dilma Rousseff.  Em 2018, Niomar Calazans, do PROS, disse a VEJA que os irmãos Ciro e Cid Gomes pagaram 2 milhões de reais para comprar o controle do PROS no Ceará durante as eleições de 2014.  Em 2019, a ex-mulher de Eurípedes, Sandra Caparrosa, acusou o ex-marido de usar laranjas para esconder os imóveis.

O presidente do PROS, Eurípedes Junior, pediu a VEJA que falasse com o advogado do partido. O advogado do PROS, Bruno Pena, nega as acusações de Holanda. Pena diz que o partido decidiu vender o helicóptero e a gráfica. Ele diz que Holanda fez uma convenção para se eleger presidente do partido, em um hotel em Brasília, e que a atual denúncia é uma forma de tentar criar fatos para forçar uma decisão judicial desfavorável a Eurípedes.

Marcus Holanda espera ganhar a disputa na Justiça na próxima semana. Ele afirmou que o voto do relator do processo dá vitória a ele. Eurípedes Junior não poderia vender este material da gráfica e nem o helicóptero, diz Holanda, por estarem sub judice. Holanda acrescentou mais uma denúncia, que dessa vez envolve sua família e Eurípedes. Holanda confirmou a VEJA que a Holanda Videomaker, que estava em nome do filho dele, recebeu 1,9 milhão da JBS e que repassou todo esse dinheiro para a campanha de Eurípedes Junior. “Esse 1,9 milhão foi usado na campanha dele (Eurípedes) em 2014”, diz Holanda. “Repassou 1,9 milhão. Isso foi um caixa dois”, disse Holanda. Era dinheiro para apoio do PROS à campanha do PT.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)