Clique e assine a partir de 9,90/mês

Ex-mulher acusa presidente do Pros de usar laranjas

Sandra Caparrosa diz que Eurípedes Júnior registrou imóveis do casal em nome de terceiros; o político nega

Por Hugo Marques - Atualizado em 28 ago 2019, 12h46 - Publicado em 28 ago 2019, 12h15

Já era sabido que o presidente do Pros, Eurípedes Júnior, gastou dinheiro do fundo partidário, portanto, dinheiro público, para comprar helicóptero, avião, mansões e carros de luxo, a maioria dos bens para uso pessoal. Mas um processo impetrado pela ex-mulher de Eurípedes, Sandra Caparrosa, na Justiça de Goiás, revela que parte dos bens está em nome de “laranjas”, para esconder os verdadeiros donos.

Sandra impetrou ação de anulação de escritura pública de compra e venda de imóveis adquiridos pelo ex-marido, no valor de 2 milhões de reais. A ação foi impetrada em julho na Justiça de Planaltina de Goiás, município onde Eurípedes já foi vereador e tem residência. Além do ex-marido, Sandra enumera entre os acusados sete pessoas que foram usadas como laranjas nessas transações.

A ex-mulher explica na ação que Eurípedes Júnior não registrava os imóveis em nome do casal ou em seu nome porque responde a ações de cobrança e as transações visavam fraudar os credores. Ela decidiu denunciar o ex-marido porque ele estaria se recusando a repassar a parte que cabe a ela na divisão dos bens.

Sandra registra na ação um imóvel comercial de 285 mil reais, um terreno de 800 mil reais e um lote urbano de 950 mil reais, todos em Goiás, em nome de laranjas. Ela juntou escrituras e fotos dos imóveis na petição, que reserva um capítulo para o uso de laranjas para desviar o patrimônio do casal. “Cabreiro e astuto, ex-companheiro da autora, Eurípedes passou a colocar em nome de terceiros o patrimônio adquirido na constância da união”, diz trecho do documento.

A ex-mulher ressalta que Eurípedes declara renda mensal de apenas 6.000 reais, mas que tem uma vida regada a luxos. Ela denuncia ainda que o ex-marido, ao utilizar da sua posição para adquirir vantagens pessoais, usou nomes de laranjas em troca de favores, como indicações para cargos públicos e favorecimento em licitações, “utilizando assim de verbas públicas para o seu uso pessoal”. Segundo Sandra, um imóvel do casal foi reformado por funcionários do partido, “pagos com dinheiro público”.

Eurípedes Júnior nega que tenha colocado imóveis em nome de terceiros. “Imóveis que eu comprei em nome de laranjas? Não existe isso”, diz Eurípedes. “Não tem isso não. Ela (Sandra) vai ter que provar lá na Justiça. Eu é que vou entrar com processo contra ela.”

Continua após a publicidade
Publicidade